MEIO AMBIENTE            

COP26: entenda os principais pontos da conferência para combater a crise climática

Líderes de 196 países, ministros de meio ambiente, cientistas, ativistas e outras personalidades discutirão maneiras de frear os impactos negativos da ação humana no planeta, em um momento crucial para o meio ambiente            
Emissões de gases afetam o meio ambiente e impactam diretamente nas mudanças climáticas / Foto: SD-Pictures/Pixabay

Falta menos de um mês para o evento que irá definir os rumos para o futuro do planeta: a 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática, a COP26, é realizada do dia 31 de outubro até 12 de novembro em Glasgow, na Escócia.

Líderes de 196 países, ministros de meio ambiente, cientistas, ativistas e outras personalidades discutirão maneiras de frear os impactos negativos da ação humana no planeta, em um momento crucial para o meio ambiente.

A prioridade da COP26 é fazer com que os países se comprometam a zerar as emissões de carbono até a metade deste século, com cortes mais agressivos a partir de 2030.

Para isso, é previsto um plano de US$ 100 bilhões de financiamento climático por ano, já que nações mais pobres estão sendo as primeiras a sentir os impactos mais duros das mudanças climáticas.

Entenda abaixo como funcionará o encontro global e as principais metas desta edição.

O que é a COP26?

COP26

A COP é a abreviatura de Conferência das Partes da Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), que é um evento que acontece anualmente, mas foi adiado em 2020 por causa da pandemia de Covid-19.

Neste ano, será sediado no Reino Unido em parceria com a Itália.

Os líderes mundiais comparecem, mas muitas das discussões acontecem entre ministros e outras autoridades de alto nível que trabalham com questões climáticas. O 26 significa que esta é a 26ª reunião do grupo.

Em Glasgow, líderes globais avaliarão os resultados do Acordo de Paris de 2015, que foi um marco nas negociações internacionais sobre o clima.

Esse acordo foi o passo mais importante já dado pelos países na tentativa de limitar as mudanças climáticas.

As nações concordaram em tentar manter o aumento da temperatura média do globo “bem abaixo” de 2 °C e tentar limitá-la a 1,5 °C em relação aos padrões pré-industriais. Até agora, a temperatura já subiu 1,2 °C.

Os cientistas veem 2 graus como um limite crítico onde o clima extremo transformaria algumas das áreas mais densamente povoadas do mundo em desertos inabitáveis ​​ou as inundaria com água do mar.

Quais são as metas?

1 – Neutralizar o balanço entre as emissões e remoções de carbono da atmosfera (net-zero) até meados deste século

A proposta é manter o aumento da temperatura do planeta abaixo dos 1,5 °C em relação aos níveis pré-industriais.

Os países estão sendo encorajados a apresentarem metas ambiciosas de redução de emissões para 2030.

Para isso, a comissão encoraja medidas como aceleração da eliminação do carvão, redução do desmatamento, aceleração da mudança para veículos elétricos e incentivar o investimento em energias renováveis.

2 – Adaptar-se para proteger comunidades e habitats naturais

Mesmo com a redução das emissões, o clima continuará mudando.

A comissão afirma que será necessário trabalhar em conjunto para proteger e restaurar ecossistemas, construir sistemas de alerta e infraestrutura e desenvolver agricultura e infraestrutura resilientes, a fim de evitar a perda de moradias, meios de subsistência ou até mesmo de vidas.

3 – Mobilizar recursos financeiros

Para cumprir as duas primeiras metas, os países desenvolvidos devem cumprir a promessa de mobilizar pelo menos 100 bilhões de dólares em financiamento climático por ano.

4 – Trabalhar em conjunto

O texto também afirma que os desafios da crise climática só poderão ser enfrentados com todos trabalhando juntos. Para isso, reiteram que é necessário finalizar o Paris Rulebook (livro de regras que viabilizará a implementação do Acordo de Paris) e acelerar as ações para enfrentar a crise climática por meio da colaboração entre governos, empresas e a sociedade civil.

O que se espera alcançar com a COP26?

Espera-se que os países apresentem planos mais ambiciosos, que contemplem ações para objetivos específicos, como apressar a eliminação do carvão, diminuir o desmatamento, acelerar a transição para veículos elétricos e incentivar o investimento em energias renováveis.

No entanto, há muitas questões da cúpula anterior (a COP25 em Madri) que não foram resolvidas.

Uma das principais é que as nações mais pobres estão sendo as primeiras a sentir os impactos mais duros das mudanças climáticas.

O aumento do nível do mar está submergindo pequenas nações insulares, enquanto secas e ondas de calor estão provocando quebras de safras.

Esse assunto, assim como o financiamento climático, será um dos principais temas de debate em Glasgow.

Outro ponto central é qual a melhor forma de gerir sistemas de mercado de carbono e de créditos de carbono.

Esses são mecanismos que permitiriam a poluentes pagar por suas emissões e a empreendimentos verdes receber por “créditos de carbono”.

A prioridade será fazer com que os países se comprometam a zerar as emissões de carbono até a metade deste século, com cortes mais agressivos a partir de 2030.

Também serão discutidas as chamadas soluções baseadas na natureza. O que significa usar a natureza para resolver alguns dos desafios climáticos – como a absorção de carbono ou o plantio de arbustos e árvores como proteção contra eventos climáticos extremos como enchentes ou tempestades de areia.

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo