TRAGÉDIA

Deslizamento de terra atinge habitat de orangotangos na Indonésia

Ativistas afirmam que os deslizamentos consecutivos são motivo suficiente para que a área seja protegida, ao invés de ser licenciada para projetos de grande escala, como mineração e infraestrutura
Imagem de um orangotango
Pixabay

Um deslizamento de terra em uma central hidrelétrica localizada no único habitat conhecido do, criticamente ameaçado de extinção, orangotango Tapanuli, tirou a vida de três pessoas. Outras nove ainda estão desaparecidas.

É o segundo deslizamento mortal no local nos últimos cinco meses, com o projeto estando em uma área propensa a desastres naturais, incluindo até terremotos.

Ativistas afirmam que os deslizamentos consecutivos são motivo suficiente para que a área seja protegida, ao invés de ser licenciada para projetos de grande escala, como mineração e infraestrutura.

Três pessoas foram declaradas mortas e nove ainda estão desaparecidas após um deslizamento de terra ter atingido a área de uma hidrelétrica no único habitat natural conhecido do, criticamente ameaçado de extinção, orangotango Tapanuli, na Sumatra.

Por volta do meio-dia do último 29 de abril, chuvas fortes começaram a assolar o ecossistema de Batang Toru, na província de Sumatra do Norte. À tarde, uma enxurrada de lama arrastou trabalhadores e moradores que estavam no local.

Em 30 de abril, equipes de busca e resgate encontraram três corpos – uma mulher e duas crianças, todos residentes locais.

Outras nove pessoas ainda estão desaparecidas, entre elas seis habitantes da região e três trabalhadores. Dois dos trabalhadores estavam no local para documentar a enchente quando foram surpreendidos e arrastados pelo deslizamento.

Essa não é a primeira vez que um projeto apoiado pela China é atingido por um desastre. Em dezembro de 2020 uma série de deslizamentos atingiu a área. Um residente local de 38 anos foi arrastado enquanto operava uma escavadeira na tentativa de limpar resquícios de um deslizamento anterior. Mais tarde, a escavadeira foi encontrada rio abaixo, mas o operador, Afuan, nunca foi localizado.

Um relatório sobre os deslizamentos de terras ocorridos em dezembro, em um banco de dados gerido pelo Ministério da Energia e Recursos Minerais, mostra que o local do incidente está em uma área com risco médio a alto de deslizamentos devida a alta pluviosidade, terreno acidentado e má drenagem.

Além do risco de deslizamentos de terra, ativistas ambientais e cientistas também sinalizaram a suscetibilidade da área a terremotos, com o projeto hidrelétrico localizado perto de uma falha tectônica conhecida. Atividades sísmicas, como terremotos e erupções vulcânicas, são comuns em grande parte da Indonésia devido à sua posição no Anel de Fogo do Pacífico, e o norte de Sumatra em particular é um ponto importante para a atividade sísmica. Em 2008, um terremoto de magnitude 6 atingiu uma área localizada a apenas 4 quilômetros (2,5 milhas) do local da barragem planejada.

A maior ONG ambiental do país, o Fórum Indonésio para o Meio Ambiente (Walhi, na sigla em indonésio), disse que os deslizamentos de terras constantes não são uma surpresa; eles ainda afirmam que os ativistas há muito alertam sobre o risco de desastres naturais na área.

Walhi também criticou a falta de um plano adequado de mitigação de desastres na análise de impacto ambiental do projeto hidrelétrico, levantada em um processo anterior que buscava interromper o projeto com base em violações de licença. Walhi disse que desastres são iminentes, pois o projeto fica em um ecossistema frágil e sujeito a catástrofes naturais. Um tribunal rejeitou a ação em 2019.

“É com isso que estamos preocupados e por isso entramos com uma ação judicial e a defendemos [contra o projeto]”, disse Doni Latuperisa, chefe da secção de Walhi na Sumatra do Norte, ao Mongabay. “É o que suspeitamos desde o início, que os projetos de infraestrutura na paisagem de Batang Toru têm o potencial de induzir desastres ecológicos.”

É por isso que a área deve ser proibida para projetos de grande escala, como a barragem hidrelétrica, dizem os ativistas. Além disso, a área também abriga atividades de mineração, incluindo uma mina de ouro operada pela PT Agincourt Resources.

Crucialmente, o ecossistema Batang Toru é também o único habitat natural conhecido do orangotango Tapanuli (Pongo tapanuliensis), a espécie de orangotango mais recentemente descrita e também o grande macaco mais ameaçado do mundo. Hoje, menos de 800 macacos são conhecidos por habitar a floresta Batang Toru, onde ocupam apenas 2,5% de sua distribuição histórica, sua população vem sendo dizimada pela perda de habitat e pela caça.

Doni diz que este é mais um motivo pelo qual todos os projetos de infraestrutura na área deveriam ser interrompidos e avaliados. “Projetos na paisagem de Batang Toru ameaçam o ecossistema e a biodiversidade nele existente”, disse ele. “Especialmente os orangotangos Tapanuli com menos de 800 sobreviventes”.

Um porta-voz do governo local, Ismut Siregar, disse que o deslizamento nada tem a ver com o projeto hidrelétrico. “É preciso enfatizar que este incidente é puramente um desastre natural devido às chuvas intensas por três dias consecutivos”, disse ele. “E, portanto, isso não tem ligação com as atividades na usina hidrelétrica de Batang Toru.”

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo