Futuro verde            

Covid-19 incentiva setor de energia renovável a ter crescimento recorde

           

A instalação global de energia renovável atingirá um nível recorde em 2020, de acordo com a
Agência Internacional de Energia (IEA), em nítido contraste com os declínios causados pela
pandemia do coronavírus nos setores de combustíveis fósseis.

O relatório da IEA publicado na terça-feira diz que quase 90% da nova geração de eletricidade
em 2020 será renovável, com apenas 10% movida a gás e carvão. A tendência coloca a
eletricidade verde no caminho para se tornar a maior fonte de energia em 2025, substituindo o
carvão, que dominou nos últimos 50 anos.

A crescente aceitação da necessidade de enfrentar a crise climática reduzindo as emissões de
carbono tornou as energias renováveis cada vez mais atraentes para os investidores. A IEA
relata que as ações dos fabricantes de equipamentos renováveis e desenvolvedores de
projetos superaram os principais índices do mercado de ações e que o valor das ações das
empresas de energia solar mais do que dobrou desde dezembro de 2019.

Os EUA são um dos maiores mercados mundiais de energias renováveis e a IEA sugere que a
implantação pode ser ainda mais rápida se as políticas do presidente eleito, Joe Biden, forem
implementadas.

“A energia renovável está desafiando as dificuldades causadas pela pandemia, mostrando um
crescimento robusto enquanto outros combustíveis lutam”, disse Fatih Birol, diretor executivo
da IEA. “A resiliência e as perspectivas positivas do setor são claramente refletidas pelo forte
apetite dos investidores”. Os combustíveis fósseis tiveram um período turbulento em 2020, pois
as medidas relacionadas à Covid fizeram com que a demanda de transporte e outros setores
despencasse.

“Em 2025, as energias renováveis devem se tornar a maior fonte de geração de eletricidade
em todo o mundo, encerrando as cinco décadas do carvão como o maior fornecedor de
energia”, disse Birol. “Nessa altura, espera-se que as energias renováveis forneçam um terço
da eletricidade mundial.”

A capacidade de energia solar aumentou 18 vezes desde 2010 e a energia eólica quatro vezes,
de acordo com dados da IEA. Em outubro, Birol disse: “Eu vejo a energia solar se tornando o
novo rei dos mercados de eletricidade do mundo.”

A energia hidrelétrica forneceu 77% da energia verde em 2010, mas caiu para 45% em 2020.
No entanto, a eletricidade é apenas cerca de um quinto de todo o uso de energia, com a
queima de combustíveis nos transportes, indústria e aquecimento constituindo a maior parte
emissões de energia.

A IEA prevê que a nova capacidade renovável em todo o mundo aumentará em um recorde de
200 gigawatts em 2020, impulsionada pela China e os Estados Unidos, onde os
desenvolvedores estão correndo para aproveitar os esquemas de incentivos que estão
expirando.

Há um crescimento ainda mais forte em 2021, disse a AIE, quando a Índia e a União Europeia
serão as forças motrizes. Mas o crescimento pode diminuir ligeiramente em 2022 com as
políticas atuais, alertou a AIE.

“As energias renováveis são resilientes à crise da Covid, mas não às incertezas políticas”,
disse Birol. “Os governos podem enfrentar essas questões para ajudar a promover uma
recuperação sustentável e acelerar as transições de energia limpa.

“Nos EUA, por exemplo, se as políticas propostas de eletricidade limpa do próximo governo
forem implementadas, elas podem levar a uma implantação muito mais rápida de energia solar
fotovoltaica e eólica.”

Uma análise para o Guardian, publicada na segunda-feira, mostrou que muito mais fundos de
recuperação do coronavírus gastos pelos governos estavam indo para setores de combustíveis
fósseis do que para projetos verdes.

“O ambiente natural e as mudanças climáticas não têm sido uma parte central do pensamento
na maior parte dos planos de recuperação”, disse Jason Eis, o presidente-executivo da Vivid
Economics. “Na maioria dos países, não estamos vendo uma recuperação verde chegando.”

 

 

 

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo