IRRESPONSABILIDADE            

Governo federal é processado por não cumprir políticas de combate à crise climática

O Plano Nacional sobre mudança climática no Brasil foi lançado em 2008 e não foi atualizado desde então, sendo um plano-base das políticas públicas de redução de gases de efeito estufa no país. Além disso, durante o governo Bolsonaro, o desmatamento ficou 176% acima do tolerado por lei            
Agropecuária líder do desmatamento no Brasil e causadora de 28% das emissões nacionais de gases de efeito estufa geradas em 2019 |Foto Marcio Isensee e Sá | Portal Vegazeta

Segundo informações do portal Vegazeta, o Brasil, por não atualizar o Plano Nacional sobre Mudança Climática, além de ser um país que tem agravado o desmatamento e consequentemente o aquecimento da terra em prol dos interesses econômicos e industriais, teve uma Ação Civil Pública protocolada pelo Observatório do Clima (OC) na Justiça Federal do Amazonas.

A Ação Civil Pública processa a União e o Ministério do Meio Ambiente devido às negligências dos órgãos do governo federal contra o clima e o meio-ambiente.

O Plano Nacional sobre mudança climática no Brasil foi lançado em 2008 e não foi atualizado desde então, sendo um plano-base das políticas públicas de redução de gases de efeito estufa no país.

A não atualização do Plano Nacional vai na contramão do Acordo de Paris, que é um tratado internacional contra as mudanças climáticas causadas pelo ser humano.

O principal objetivo do Acordo de Paris consiste em combater o aumento da temperatura global, isso significa impedir o aumento de, preferencialmente, 1,5°C na temperatura global em relação à era pré-industrial e reforçar que os países devam responder e atentar-se aos desafios em um contexto de desenvolvimento sustentável.

O acordo foi negociado em Paris durante a COP21 e aprovado em 12 de dezembro de 2015.

Um relatório do painel do clima da ONU divulgou que, 1,07ºC do aquecimento dos 1,09ºC observado, é fruto da ação humana, como o desmatamento ou queima de combustíveis fósseis em prol de setores econômicos e industriais.

O Brasil está na sexta posição dos países que mais produzem e emitem gases de efeito estufa no mundo, com 3,2% do total.

No ano de 2019, as emissões per capita do Brasil também saltaram aos olhos, ficando acima da média mundial. A média bruta de CO2 por brasileiro foi de 10,4 toneladas, enquanto a média mundial era de 7,1.

Uma das ações emergenciais para reverter este cenário fatídico ao meio ambiente e ao Planeta, é respeitar a Política Nacional sobre Mudança do Clima (PNMC), instituída por lei federal em 2009. A Política formaliza compromissos internacionais para a redução de emissão de gases poluentes e objetiva o desenvolvimento socioeconômico de maneira compatível com a proteção do sistema climático.

A execução do PNMC se dá através de planos de ação para prevenção, controle do desmatamento, planos setoriais de mitigação e de adaptação às mudanças climáticas.

Brasil: responsável pela crise climática em nível alarmante

Metsul Meteorologia | Agence France-Presse (AFP) | Carl de Souza

O portal Vegazeta também noticia que no Brasil, a prática predatória do uso da terra – desmatamento – por interesses econômicos e industriais, sobretudo ligados à indústria da carne, são os principais responsáveis pela crise climáticas e pelas emissões de gases de efeito estufa.

A consequência dessa prática humana e industrial reflete nos 44% do total de emissões brutas em 2019 segundo o Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa (SEEG) do Observatório do Clima.

A meta da Política Nacional sobre Mudança do Clima (PNMC) para reduzir o desmatamento na Amazônia em 80% em 2020 – em relação à média desmatada entre 1996 e 2005 – não foi cumprida. Pelo contrário, durante o governo de Jair Bolsonaro o desmatamento ficou 176% acima do tolerado por lei.

28% das emissões brasileiras em 2019 foram ligadas à agropecuária.

O Plano Setorial de Mitigação e de Adaptação às Mudanças Climáticas para a Consolidação de uma Economia de Baixa Emissão de Carbono na Agricultura (Plano ABC), parte da PNMC, tem sido aplicado com recursos abaixo do necessário. Para a safra de 2021-2022 foram previstos 5 bilhões de um total de 251 bilhões do Plano Safra, portanto, apenas 2% do crédito rural foi destinado a atividades que ajudam a redução das emissões.

O governo atual também retrocede no que diz respeito ao sistema nacional de proteção ambiental devido ao: esvaziamento da participação de representantes em fóruns que tratam da questão climática; do congelamento de recursos em fundos para investimento em soluções, como o Fundo Clima e Fundo Amazônia; pelo enfraquecimento dos órgãos de controle ambiental e climático (Ibama e ICMBio); pelo engavetamento do Plano de Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia e pela paralisação do processo sancionador de autuações ambientais.

Marcio Astrini, secretário-executivo do Observatório do Clima (OC), afirma que o governo foi levado à justiça para “fazer o mínimo que qualquer governo deveria fazer, que é proteger seus cidadãos dos impactos presentes e futuros da crise climática”.

E ainda reforça que o Brasil, além de ser um dos vilões da mudança do clima, é também uma das principais vítimas.

“Deveríamos ter um plano de clima consistente com a urgência apontada pela ciência não para cumprir obrigações internacionais, mas para ajudar a evitar tragédias como a crise hídrica atual e impulsionar nossa economia”.

E complementa que agir em prol do clima significa visar promover emprego e renda e que “infelizmente não podemos esperar que o regime Bolsonaro e os líderes do atual Congresso Nacional atuem em favor do país, então estamos recorrendo ao Judiciário para isso”.

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo