EMPATIA            

Cachorro passa a viver em cemitério após morte de tutor e consola famílias em luto

Funcionário do cemitério há 16 anos, o coveiro relata que Bobby sempre deita ao lado da família e permanece imóvel durante os 45 minutos do enterro, observando a cena e transmitindo força aos familiares da pessoa morta            
Foto: Juan Thomes

Bobby é um cachorro especial que toca o coração de todas as famílias enlutadas que passam pelo Cemitério Municipal da Roca, em Rio Negro, na Argentina. Morando no local desde que seu tutor morreu, o animal demonstra empatia pelas pessoas que enterram seus entes queridos e acaba por consolá-las.

Companheiro do coveiro noturno Daniel Cisterna, o cachorro o acompanha durante todo o seu trabalho e observa os familiares das pessoas sepultadas com uma serenidade comovente.

“Meu trabalho é enterrar, caminhar, passear pelo cemitério e Bobby me segue. Quando eu entro às 13h e ele ouve a motocicleta sempre vem me cumprimentar e quando eu saio ele me acompanha até a floricultura e dá meia-volta”, contou Daniel ao portal Rio Negro.

Foto: Juan Thomes

Funcionário do cemitério há 16 anos, o coveiro relata que Bobby sempre deita ao lado da família e permanece imóvel durante os 45 minutos do enterro, observando a cena e transmitindo força aos familiares da pessoa morta. “Parece que ele entende a dor dela [da família enlutada]”, disse Daniel.

Segundo ele, o gesto empático do cachorro faz com que todos que passam pelo cemitério gostem dele e perguntem sobre seu histórico. “Contamos a história dele”, relatou o coveiro. “Quando ele chegou, estava seguindo o carro funerário. Enterramos o tutor dele e ele ficou aqui conosco. O cachorrinho ainda estava em cima do túmulo do tutor, ele não queria ir. Colocaram-no em um caminhão, mas ele saiu e voltou para o túmulo de seu mestre. Ele não quer ir, ele quer ficar com o tutor”, comentou Daniel ao relatar o momento em que a família do tutor de Bobby tentou levá-lo para casa.

Foto: Juan Thomes

No cemitério, o cachorro recebe todos os cuidados necessários e é tratado com muito carinho. A ração que o alimenta é entregue semanalmente aos funcionários do local pela professora Adriana Carrasc, que é ativista da causa animal. Ela também fica responsável por levá-lo ao veterinário quando há necessidade.

Junto de sua família, a professora cuida não só de Bobby, mas de muitos outros cães que vivem em situação de rua em Rio Negro. “Nós os levamos ao veterinário, os alimentamos, tudo o que podemos fazer, fazemos”, disse Adriana. “Quando conhecemos Bobby, imediatamente fomos castrá-lo para que não acontecesse o mesmo que aconteceu com os outros que escaparam para cruzar”, completou ao mencionar acidentes envolvendo outros animais.

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo