AÇÃO CRIMINAL            

Treinadora e atleta são processadas por maus-tratos a cavalo nos Jogos Olímpicos

O cavalo Saint Boy foi maltratado após se negar a saltar obstáculos durante a competição feminina do pentatlo moderno            
(Foto: Mike Egerton/PA/PA Wire)

A Deutscher Tierschutzbund (Associação Alemã para a Proteção dos Animais, em tradução livre) protocolou na Justiça uma ação criminal contra a atleta Annika Schleu e a treinadora Kim Raisner por maus-tratos ao cavalo Saint Boy, que foi agredido com um soco após se recusar a saltar obstáculos durante os Jogos Olímpicos de Tóquio.

Em um comunicado, a associação informou que Schleu e Raisner são acusadas no processo de “crueldade com os animais” e “cumplicidade na crueldade com os animais”. Durante a prova, a atleta desferiu inúmeros golpes contra o cavalo, inclusive utilizando um chicote. Ele também recebeu um soco da treinadora, que foi expulsa das Olimpíadas após os maus-tratos. Assustado, o animal se debatia enquanto era maltratado pela dupla.

De acordo com o presidente da instituição alemã, nada justifica os maus-tratos impostos a Saint Boy. “É claro que um atleta focado no ouro olímpico está sob enorme pressão no momento, mas isso não é desculpa para crueldade com os animais”, disse Thomas Schröder à agência de notícias AFP.

Ao se pronunciar sobre o caso, que repercutiu negativamente em todo o mundo, Schleu afirmou ao jornal Die Zeit que não foi “extremamente dura” com o cavalo, mas que poderia ter sido “um pouco mais calma e razoável”. Ela foi defendida pela treinadora, que afirmou à SID, afiliada da AFP, que a atleta “não torturou o cavalo de forma alguma”.

Relembre o caso

O cavalo Saint Boy foi agredido no dia 7 de agosto durante a competição feminina do pentatlo moderno dos Jogos Olímpicos. A agressão levou à expulsão da treinadora Kim Raisner, que desferiu um soco contra o animal. A expulsão tem como objetivo puni-la pelos maus-tratos, mas não altera em nada a exploração imposta aos cavalos, tampouco os liberta de serem maltratados de inúmeras outras formas em nome do lucro e do entretenimento humano.

Saint Boy não só foi agredido com um soco, como foi chicoteado pela alemã Annika Schleu, que o montava durante a prova. Os chicotes, no entanto, não são vistos pelos organizadores e praticantes do hipismo como ferramentas de maus-tratos, assim como acontece com os “estribos”, usados para o apoio do pé do cavaleiro, que frequentemente os utiliza – como fez Schleu durante a prova – para agredir o cavalo, batendo os estribos de aço contra a barriga do animal para fazê-lo andar em resposta ao incomodo gerado pela dor.

Um vídeo que registrou os maus-tratos ao cavalo (confira ao final da reportagem) mostra o momento em que a treinadora incentiva Schleu a chicoteá-lo. “Acerte, acerte”, grita Raisner ordenando a competidora a chicotear o animal. A alemã atende e agride Saint Boy repetidas vezes com o chicote. Em um determinado momento, o animal, visivelmente assustado, aproxima-se da cerca ao redor da pista, a treinadora consegue alcançá-lo e desfere contra ele o golpe com o punho fechado que levou a sua expulsão do campeonato.

O sofrimento imposto ao cavalo teve como motivação a recusa de Saint Boy a saltar obstáculos da prova hípica de saltos. Além de ter sido fisicamente agredido, o animal também foi desrespeitado e submetido a sofrimento psicológico visível em seu comportamento agitado. O tempo todo, Saint Boy demonstra estar desconfortável com as circunstâncias cruéis nas quais foi envolvido, mas não consegue fazer nada além de rodar em círculos e se debater, levantando as patas dianteiras enquanto é chicoteado, segurado pelas rédeas ligadas ao bridão que machuca sua boca e língua, e agredido com golpes desferidos não só pela treinadora, mas também por Annika Schle, que usa os pés para acertar a barriga de Saint Boy com os estribos enquanto demonstra, aos prantos, estar bastante nervosa por não conseguir finalizar a prova que poderia lhe garantir pontos para a classificação final do pentatlo.

Confira o momento em que Saint Boy foi maltratado:

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo