FINAL FELIZ            

Cão que esperou por tutora após mudança viaja cinco dias para reencontrá-la

Após seis meses de saudade, Mailon e Maria da Paz finalmente puderam voltar a viver juntos            
Foto: Arquivo Pessoal/Maria da Paz

A espera de Mailon teve fim e o cachorro pôde, finalmente, rever sua tutora. Maria da Paz se mudou no início do ano para o Ceará, para voltar para sua cidade natal, após enfrentar dificuldades financeiras em Praia Grande, no litoral do estado de São Paulo. Sem condições de levar o cão, o deixou com familiares, mas Mailon fugiu e ficou um mês em frente à casa onde morava com sua tutora.

A saudade que o cachorro sentia de sua família comoveu a operadora de telemarketing Helen Baum e sua amiga Miriam Reis, que se uniram para resgatar Mailon e arrecadar fundos para pagar o transporte do cão até o Ceará.

A mais de 3 mil quilômetros de distância, Maria da Paz vivenciava a esperança de rever seu amado cão e sofria por estar longe dele. “Logo após o resgate, ela enviou vídeos, mandou fotos com ele no colo, para provar que realmente era tutora dele. Ela estava bem abalada e contou que, durante a pandemia, estava passando por dificuldades financeiras e teve que voltar para a cidade dela no Ceará. Como não tinha dinheiro para levar o cachorro, deixou ele com familiares e foi para o interior do estado com o marido”, explicou Helen ao G1.

Inicialmente, Helen e Miriam planejavam arrecadar R$ 2,6 mil para pagar o transporte aéreo para Mailon e, para isso, fizeram rifas e pediram ajuda para familiares e amigos, além de terem feito uma campanha nas redes sociais. No entanto, dois meses depois, com R$ 1,6 mil arrecadados, a dupla decidiu recorrer a um serviço de táxi dog interestadual e pagou R$ 2 mil pela viagem. “Ainda faltavam R$ 400, mas nós planejamos parcelar no cartão e continuar pedindo ajuda para pagar o restante”, afirmou Helen.

No dia 17 de julho, Mailon saiu de Praia Grande com destino à Fortaleza, onde chegou no dia 22. Durante a viagem, o motorista, que também transportava outros animais, fazia três paradas por dia. Em uma das noites, os cães foram levados para a sede da empresa em Belo Horizonte. “Durante essas paradas diárias, eles [os instrutores] nos mandavam vídeos do Mailon e falavam que ele estava comendo, bebendo água, fazendo as necessidades”, contou Helen.

Foto: Arquivo Pessoal/Miriam Reis

Como o destino final do táxi dog era Fortaleza, o transporte de Mailon até a cidade de Ibiapina, onde sua família mora, foi custeado por sua tutora, que vendeu rifas para arrecadar os valores. “Nós acompanhamos ele todos os dias. No dia [da chegada], às 7h, eu, Miriam e a Maria da Paz estávamos de prontidão esperando por noticias do Mailon”, relatou a operadora de telemarketing.

“Foi muito emocionante, eu chorei muito, até hoje falo no assunto e me emociono, porque a gente acaba se apegando. Satisfazer o desejo do Mailon de encontrar a tutora dele não tem preço, nós não paramos até alcançar esse objetivo, é um sentimento que não dá para descrever, foi indescritível”, completou.

O caso também emociona Maria da Paz, que garante não ter deixado Mailon em Praia Grande por opção, mas sim por não ter condições de financeiras de levá-lo. Quando soube que o cachorro havia fugido e estava esperando por ela em frente ao antigo endereço, a tutora se desesperou. “Me esculacharam, eu chorei das quatro da tarde até uma hora da manhã quando soube. Fiquei procurando pelas pessoas que estavam cuidando dele, para contar a minha versão, porque eu não abandonei ele. Fiz um vídeo pedindo ajuda para trazer ele, porque eu não tinha dinheiro nem para comprar uma passagem, quem dirá para trazer ele”, contou.

Tanto sofrimento, no entanto, teve fim e seis meses após a mudança, Mailon e Maria da Paz finalmente se encontraram. Segundo ela, foi o dia mais feliz de sua vida.

“Eu fiquei muito feliz, mas fiquei uns três meses aqui agoniada, também. Em nenhum momento fechei a porta e deixei ele para trás. Deus é muito bom para mim, porque na hora, eu pensava que ia desmaiar de tão ansiosa. Eu estava ansiosa para ver ele, dormi em Fortaleza para não perder a hora de ver ele chegar, e só vim embora quando peguei ele. Nunca pensei em um encontro desse”, concluiu.

Foto: Arquivo Pessoal/Helen Baum

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo