CONSUMO DESENFREADO

Estudo mostra que os plásticos provenientes do delivery de alimentos predominam nos oceanos

           
Foto: Paulo Oliveira/Alamy Stock Photo

Apenas 10 produtos feitos de plástico compõem 75% de todos os itens encontrados nos mares, e cientistas dizem que este tipo de poluição deve ser interrompido em sua origem.

Plásticos que fazem parte das embalagens e dos utensílios em seu interior, pertencentes ao delivery de comidas e bebidas, dominam os oceanos do mundo, de acordo com o estudo mais detalhado até agora.

Sacolas plásticas, garrafas plásticas, embalagens e filmes plásticos de comida são os quatro principais poluidores dos mares, atingindo quase metade do lixo de origem humana, dizem os pesquisadores. Apenas 10 produtos plásticos, incluindo também tampas de garrafa e equipamentos de pesca, são responsáveis por 3/4 de todos o lixo, devido ao seu uso globalizado e à sua degradação extremamente lenta.

Os cientistas disseram que identificar as principais fontes de plástico presente nos oceanos, tornou claro onde as ações para interromper essa corrente de resíduos eram necessárias. Eles pediram para que itens descartáveis não essenciais fossem proibidos, e para que os produtores tomassem medidas mais responsáveis.

Movimentos contra o uso de canudos e cotonetes de plástico na Europa foram bem-recebidos e servem como exemplo, disseram os pesquisadores, porém podem distrair o público das questões envolvendo tipos bem mais comuns de poluidores. Os resultados da pesquisa foram baseados em uma cuidadosa combinação de 12 milhões de observações, provenientes de 36 bases de dados espalhadas por todo o planeta.

“Nós não fomos surpreendidos quando soubemos que o plástico corresponde a 80% de todo o lixo, mas a alta proporção de itens presentes nas embalagens de delivery nos surpreendeu, o que significa garrafas de água, garrafas da Coca-Cola e outras bebidas e latas,” disse Carmen Morales-Caselles, da Universidade de Cádis, na Espanha, e quem liderou a nova pesquisa.

“Esta informação tornará mais fácil para que os governantes tomem decisões que levem ao ‘fechamento da torneira’ do despejo de lixo marinho nos oceanos e preveni-lo, ao invés de apenas tomarem medidas paliativas”, ela disse.

Canudos e colheres usados para misturar líquidos compõem 2.3% do total de resíduos, e cotonetes junto aos palitos de sorvetes, 0.16%. “É bom que haja campanhas contra o uso de cotonetes de plástico, mas se nós não acrescentarmos a elas os itens que estão no topo da lista, não estaremos lidando com o ponto central da questão – estaríamos nos distraindo,” disse Morales-Caselles.

O professor Richard Thompson da Universidade de Plymouth, no Reino Unido, que não fazia parte do time de pesquisa, disse: “Ter [estes dados] analisados de uma maneira científica é incrivelmente útil. Pode haver relutância em tomar atitudes em relação a algo que parece óbvio, simplesmente porque não há um estudo científico publicado sobre o assunto.”

A pesquisa, publicada no jornal “Nature Sustainability” e patrocinada pela BBVA Foundation e o ministério da ciência espanhol, concluiu: “Em termos da origem dos resíduos, itens presentes em deliveries de alimentos e utilizados pelo consumidor – principalmente sacolas e embalagens plásticas, talheres, garrafas de vidro e de plástico, e latas – compunham a maior fração.”

A análise incluiu itens maiores do que 3cm e identificáveis, excluindo fragmentos e micro plásticos. Também distinguiu entre plástico proveniente do delivery de alimentos, e plástico presente em utensílios usados no banheiro e em casa.

A maior concentração de lixo foi encontrada nas praias e na areia do fundo do mar próximo à costa. Os cientistas disseram que o vento e as ondas repetidamente levam estes detritos para as praias, onde eles se acumulam no fundo do mar. Material de pesca, como redes e linhas, tem presença significativa somente no mar aberto, onde compõem metade do todo.

Um segundo estudo do mesmo jornal examinou os resíduos que entram no oceano provenientes dos 42 rios europeus, e foi uma das bases de dados que Morales e seus colegas utilizaram em sua pesquisa. O estudo identificou a Turquia, a Itália, e o Reino Unido, como sendo os três principais contribuidores para o lixo marinho.

“Medidas mitigadoras não podem significar fazer a limpeza da foz de cada rio,” disse Daniel González-Fernández da Universidade de Cádiz, o cientista que liderou o segundo estudo. “Você precisa interromper o despejo na fonte, para que o plástico nem mesmo chegue ao meio-ambiente.”

Em maio, o Greenpeace revelou que o lixo plástico do Reino Unido enviado para a Turquia para reciclagem havia sido queimado, ou despejado em rios e deixado para poluir os oceanos. Cidadãos dos EUA e do Reino Unido produzem mais resíduos plásticos por pessoa do que qualquer outro país desenvolvido, de acordo com outra pesquisa recente.

Os cientistas recomendaram proibir itens plásticos de uso não-essencial no delivery de alimentos e bebidas, como sacolas plásticas por exemplo, dizendo ser esta a melhor opção. Para produtos essenciais, eles disseram que os produtores deveriam ter mais responsabilidade na coleta e descarte, e que também apoiavam o “esquema de retorno de depósito”, no qual o cliente deixa um depósito em dinheiro ao retirar garrafas ou sacos plásticos de uma loja, e só recupera o valor ao retornar com os itens para a reciclagem.

“Este estudo compreensivo concluiu que a melhor maneira para se opor à poluição por plásticos, é através de restrições severas do governo de utensílios e embalagens de plástico descartáveis,” disse Nina Schrank, uma ativista do Greenpeace Reino Unido. “Isso é inegável. Nós nunca vamos reciclar todo o lixo plástico que produzimos.”

Thompson disse: “O que está acontecendo nos mares é um sintoma do problema – a origem e a solução estão em terra firme e é aqui que devemos agir.”

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo