Somente uma lei pode revogar outra lei – a recepção do Decreto-Lei 24.645/34 – Lei de Proteção Animal – pela CF/88

           

Quando Getúlio Vargas editou a Lei de Proteção Animal em 1934, o Poder Legislativo havia sido extinto e, portanto, era o Chefe do Executivo quem exercia interinamente as funções de legislador. Assim, foi criada, à época, uma espécie normativa chamada Decreto-Lei, uma espécie híbrida, que era editada pelo presidente(portanto, é um decreto), mas com força de lei ordinária (pois o presidente era legislador também), de modo que, na introdução de seu Decreto, Getúlio Vargas utiliza-se da permissão fornecida pela norma que instituiu o governo provisório então vigente. Vamos conferir abaixo:

DECRETO Nº 24.645, de 10 de julho de 1934

“Estabelece medidas de proteção aos animais
O CHEFE DO GOVERNO PROVISÓRIO DA REPÚBLICA, DOS ESTADOS UNIDOS DO
BRASIL, usando das atribuições que lhe confere o Artigo 1º do Decreto Nº 19.398, de 11 de
novembro de 1930, DECRETA:
Art. 1º – Todos os animais existentes no País são tutelados do Estado. ” (…)

Decreto nº 19.398, de 11 de Novembro de 1930

“Institue o Governo Provisório da República dos Estados Unidos do Brasil, e dá outras providencias
O Chefe do Governo Provisório da República dos Estados Unidos do Brasil

DECRETA:

Art. 1º O Governo Provisório exercerá discricionariamente, em toda sua plenitude, as funções e atribuições, não só do Poder Executivo, como também do Poder Legislativo, até que, eleita a Assembléia Constituinte, estabeleça esta a reorganização constitucional do país;”

Vejam, o decreto 19.398/30 foi a norma que instituiu o governo do qual Getúlio Vargas era o presidente e é nitido, na leitura do artigo 1º, que ele exercia as funções de legislador.

Assim, não há dúvidas de que os Decretos-Lei do ex-ditador eram as Leis da época, tanto que a Constituição Federal do 1988 recepcionou todos os Decretos-Lei compatíveis, adequando -os ao novo sistema jurídico e transformando – os em Lei Ordinária, exemplo mais célebre foi o Código Penal, originalmente concebido como Decreto -Lei.

Pois bem, em 1991, o então presidente Fernando Collor de Mello editou um Decreto revogando 3.500 outros Decretos, desde 1889 até 1990, dentre os tais, o Decreto-Lei 24.645/34. Ocorre, no entanto, que a norma feita pelo ex-presidente não tem força para revogar Decretos-Lei. vejamos por que.

Primeiramente, o que é um decreto?

O decreto é um ato administrativo emanado pelos chefes do Poder Executivo em assuntos delimitados na legislação ou constituição. Não obedecem o processo legislativo ordinário e não passam pelo crivo do Congresso Nacional. Por isso, apesar de ser uma norma, o decreto está sempre em situação inferior à da lei e, por isso mesmo, não a pode contrariar, nem tampouco revogar.

Vejam, em um Estado de Direito, um Poder não pode invadir a competência de outro, sob pena de se formar um conflito institucional. Assim, o Poder responsável por fazer Leis é o Legislativo, sendo certo que o Executivo só publicará normas em caráter excepcional, a respeito de assuntos determinados e com menos força legal. Dessa forma, o Decreto 11/91, de autoria do ex-presidente Fernando Collor de Mello, não tem força para revogar nenhum Decreto-Lei. Somente Lei pode revogar Lei e não foi o que ocorreu. A Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro não deixa margem a dúvidas:

“Art. 2o Não se destinando à vigência temporária, a lei terá vigor até que outra a modifique ou revogue.” Ou seja, uma Lei é vigente até que outra Lei a revogue. Decretos não servem para retirar leis do ordenamento.

Assim, sendo Decreto -Lei espécie equivalente à Lei Ordinária, é perfeitamente possível defender a tese de que o Decreto -Lei 24.645/34 está plenamente vigente e deve ser utilizado na proteção dos animais sempre que necessário.

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo