Festa religiosa onde touros são maltratados e mortos continua na Espanha

           

(da Redação)

Touros forçados a correr ao lado da multidão caem ao chão em mais uma edição da festa na Espanha. Foto:  Daniel Ochoa de Olza/AP
Touros forçados a correr ao lado da multidão caem ao chão em mais uma edição da festa na Espanha (Foto: Daniel Ochoa de Olza/AP)

Começou na segunda-feira (7) a festa de São Firmino de Pamplona, no norte da Espanha, mais um evento que gira em torno da exploração e morte de animais. As informações são do G1 e do Daily Mail.

As festas, que são em homenagem a São Firmino e acontecem todos os anos entre 6 e 14 de julho, atraem multidões. Elas têm origem há séculos, mas a sua fama mundial é um fenômeno da primeira metade do século XX. Uma das atividades mais famosas do evento é o “encierro”, que consiste numa corrida de touros ao longo de um percurso de 849 metros por três ruas do centro histórico de Pamplona, e que culmina na praça de touros da cidade, onde os animais são mortos.

Foto: Pedro Armestre/AFP
Foto: Pedro Armestre/AFP

Em apenas 2 minutos e 25 segundos, cinco touros de Torrestrella, guiados por seis bois, são forçados a realizar os 848,6 metros de percurso pelas estreitas e deslizantes ruas de Pamplona, lotadas de milhares de “corredores”, experientes ou novatos, com alguns tentando se aproximar o máximo possível dos animais.

A quantidade de pessoas presente na tal corrida seria suficiente, por si só, para um estresse enorme aos animais. Após serem obrigados a correr ao lado de uma multidão, os animais sobreviventes são mortos.

“Foi uma corrida muito bonita porque a manada corria e em várias ocasiões era possível tocar no touro”, explicou o corredor dito “experiente” Jaime Morcillo, que participa das corridas há cinco anos, ao chegar à praça de touros de Pamplona.

Nesse ano, durante o “encierro”, um corredor espanhol de 52 anos foi ferido por uma chifrada na pelve quando um touro se separou do grupo, mas não corre risco de morte. Outras quatro pessoas foram hospitalizadas, três delas por traumatismos, e uma delas chifrada por um touro. Segundo a reportagem, a Cruz Vermelha atendeu 37 pessoas, a maioria na praça.

Entre 1922 e 2009, morreram 15 pessoas nos chamados “encierros” dessa festa absolutamente arcaica.

Na festa do ano passado, manifestantes sob organização da ONG PETA fizeram um protesto pelos 48 touros mortos no evento, conforme publicado pela ANDA. Os ativistas ficaram sem roupa, dentro de caixões e ostentando placas, representando os animais vitimados.

Nesse ano, a ONG também está realizando protestos no local.

Foto: Daily Mail
Foto: Daily Mail

Origem nas touradas

A festa de São Firmino tem origem na combinação de eventos medievais, e o uso de bois e touros remonta às feiras comerciais seculares e à prática das touradas na Espanha.

Como os comerciantes de gado iam para a cidade com os seus animais, começaram a organizar-se as touradas e tornaram-se parte da tradição, logo agregando-se às cerimônias religiosas em honra ao santo já no século XIV.

Não se sabe em que altura começaram a ser feitos os encierros propriamente ditos. Conta um médico forense pamplonês conhecido como “o historiador do encierro” que “o espetáculo de correr touros é tão antigo em Pamplona que não se descobre o princípio”.

Inicialmente, os touros eram levados para a cidade de madrugada pelos açougueiros, que eram acompanhados a cavalo por representantes do município. Após a construção do touril na Praça do Castelo, no último quartel do século XVII, os touros começaram a ser levados pelas ruas pelos jovens pamploneses.

Multidão presente no evento desse ano. Foto: Daily Mail
Multidão presente no evento desse ano (Foto: Daily Mail)

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo