Feira de Segurança Alimentar de Porto Alegre

           

A Feira de Segurança Alimentar aconteceu neste domingo, dia 18 de outubro, em Porto Alegre. O evento contou com a presença da SVB – Sociedade Vegetariana Brasileira – e da VAL – Vanguarda Abolicionista –, dois grupos ativistas pelos direitos dos animais e pelo vegetarianismo como estilo de vida.

 

feira_aliment_out_2009___04

Desde 1981, várias entidades civis e governamentais, reconhecendo a importância das temáticas Alimentação e Nutrição para as populações, reúnem-se para comemorar no Rio Grande do Sul o Dia Mundial da Alimentação, instituído na data de 16 de outubro pela Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO).

Atualmente essa celebração anual é denominada Semana da Alimentação do Rio Grande do Sul (SEMA RS). A ação conta com a participação de diversas entidades e instituições, na capital e nos municípios gaúchos, constituindo um amplo programa que abriga, além da temática estabelecida pela FAO, outras importantes manifestações, debates e encaminhamentos a respeito da Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável, e seus fundamentos principais que são o Direito Humano à Alimentação Adequada e a Soberania Alimentar.

Foram distribuídos panfletos, houve também venda de livros e camisetas da causa.
Para informações sobre alimentação vegetariana/vegana, contamos com o apoio da nutricionista Cláudia Lulkin, que mostrava aos visitantes da feira as diversas opções de origem vegetal e benefícios à saúde – dos humanos e dos animais.

feira_aliment_out_2009___032Na banca do Greenpeace, uma curiosa afronta à pecuária, mas cheia de dedos, já que nem se toca no assunto da questão animal. Para eles, deixar de comer carne é uma questão de “razoabilidade”. Ainda não acordaram para o fato de que a ganância e a exploração que a humanidade exerce sobre os animais é o que vem empobrecendo nossa ética, empobrecendo os solos e torturando vidas indefesas. Mas, para eles, a razoabilidade está em trocar o solo da Amazônia por outro solo (do Cerrado talvez? Da Lua?). Querem que se saiba a procedência do “nosso peixe”, do “nosso gado”. Do meu gado? Discurso conciliatório, papo para boi dormir… Todos sabemos de quem é o gado e para onde “flui” o dinheiro…

O dia foi lindo e movimentado pela manhã. À tarde, pouco movimento e muito vento, mas a presença de veículos de comunicação, de pessoas interessadas e muita discussão positiva sobre alimentação, humanidade, amizade, ecologia e respeito aos animais.

Contamos com a presença da socióloga Eliane Lima, que tratou das questões políticas e sociais do vegetarianismo. Abordou assuntos como o direito do consumidor para os vegetarianos, como agem as empresas que testam em animais e as que não testam e como é o relacionamento delas com o consumidor vegetariano e o consumidor comum.

Falou sobre as muitas empresas que estão mudando sua postura e não usando mais produtos de origem animal na sua composição, informando nas embalagens essa atitude. Uma mudança que tem muito a ver com a insistência de pessoas ativistas que exigem que seus direitos sejam respeitados.

Todos nós ajudamos na feira e aprendemos muito. Pudemos ter um panorama das questões biológicas, filosóficas, sociais e nutricionais, das questões relacionadas à agricultura, como, por exemplo, o modo como a pecuária colabora para aumentar o aquecimento global e as mudanças climáticas, coisa que todo biólogo tem obrigação de informar, se atua em escolas e meios de comunicação.

O evento, multidisciplinar, é uma chance de se ter acesso aos mais diversos tipos de alimentos, maneiras de preparo, agricultura familiar e ecologia. Notei que poucas crianças e jovens estavam no evento. Uma pena, pois é uma chance de se obter informações sobre o plantio de cereais no Estado, sobre os projetos novos em cada área da agricultura e poder ter uma visão ampla – desta vez incluindo os animais graças à presença da banca VAL/SVB – o que hoje em dia é o objetivo de muitos professores e uma questão importante na educação.

A educação carece de exemplos, coisas concretas, alternativas à sala de aula e também ao modo de vida destrutivo em que a humanidade se encontra. É algo que vem sendo discutido há séculos.  Na próxima coluna, tratarei da educação e de uma nova proposta que inclua o exemplo, a “atitude”,  como maior auxiliar no aprendizado.

Esta feira é  um evento que se repete anualmente e que reúne pessoas que trabalham com alimentação. Havia bancas que trabalham com soja, linhaça orgânica e muitas outras relacionadas aos cultivos de cereais, agricultura desenvolvida pelas mulheres, camponesas, cooperativas e grupos diversos.

A banca que trata do tema vegetarianismo e animais surgiu como uma opção ecológica e totalmente sustentável – seja do ponto de vista argumentativo, ou do ponto de vista ecológico. Espero que, no próximo ano, mais crianças e jovens possam conhecer este evento e estar presentes para maior informação sobre algo (a alimentação humana), que está intimamente ligado às nossas vidas e que envolve, infelizmente e ainda, a vida de milhares de seres que chamamos de “animais”.

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo