MAUS-TRATOS            

Cadela cega e idosa explorada para reprodução é abandonada em SP

           
Foto: Arquivo pessoal

Uma cadela da raça shih-tzu usada na exploração de venda de filhotes, foi resgatada em uma avenida de Santos, litoral de São Paulo. O animal estava com sarna negra, glaucoma, úlcera em um olho e já havia perdido o outro. Após o salvamento, o animal foi entregue a uma protetora que já cuida de 30 animais e luta para manter o abrigo.

A cadelinha, que recebeu o nome de Vitória, estava na Avenida Afonso Schmidt, Zona Noroeste de Santos, quando uma motociclista que passava pelo local, Aline Gatto, de 31 anos, viu o perigo eminente e parou para salvar o animal.

Aline publicou um pedido de ajuda nas redes sociais à procura de um lar temporário para a cadela. “Eu a encontrei atravessando a rua, quase foi atropelada. Achei que tivesse dono, que talvez estivesse só passeando. Eu estava de moto, então estacionei rapidamente para tirá-la da avenida, mas quando vi o estado dela, logo percebi que era uma matriz descartada. Estava deprimente”, conta a mulher, que também trata animais em situação de maus-tratos na cidade.

Maria Jaqueline Aparecida da Silva, de 21 anos, é ativista e trabalha como ambulante. Ela cuida de 30 animais na Praia Grande, cidade vizinha de Santos, e viu o pedido de ajuda da Aline nas redes sociais. Depois de conversarem, as duas combinaram um dia para a motociclista levar a cachorrinha para o abrigo.

Foto: Arquivo pessoal

Chegando lá, Vitória passou por uma consulta no veterinário e foi diagnosticada com sarna negra, úlcera e glaucoma em um dos olhos. O animal já tinha perdido o outro olho, por motivo desconhecido, e tinha uma infecção no lugar do globo ocular. A veterinária explicou para Maria que a cachorra era usada como matriz, ou seja, ela gerava ninhadas de filhotes sucessivamente, para serem vendidos. Com apenas 4 anos, Vitória já tem nódulos nos seios provocados pelas contínuas gestações.

“Eu já tenho outros animais para cuidar, mas me sensibilizei, porque ela estava muito maltratada. Ela estava com sarna negra e era uma matriz descartada. Agora o olho dela está bem melhor, e a sarna estamos tratando, mas a cadela continua muito debilitada. Que bom que a Aline parou o que estava fazendo e decidiu ajudar”, declara a Jaqueline em entrevista para o G1.

A ativista relata que o animal chegou até ela desconfiado e com medo de tudo, mas que com o tempo ela está se acostumando, e vem apresentando melhoras significativas no comportamento desde o regate. “Ela é bem dócil e bagunceira. Difícil tirar uma foto porque ela nunca para. Ela está se curando”, relata animada a nova tutora.

Jaqueline cuida de outros 30 animais domésticos e precisa de muita ração para alimentar seus protegidos. “São cerca de 15 kg de ração por dia só com os meus cães, fora os que eu vejo na rua e tento ajudar também. Não é fácil, mas eu me dedico a cuidar dessas vidas”, conta.

Para conseguir doações, Jaqueline compartilhou a história de Vitoria nas redes sociais. Após o fim dos tratamentos, daqui há sete meses, Vitória será castrada e ficará disponível para adoção responsável. “Espero que ela consiga a ajuda que precisa. A luta é muito grande e tenho certeza que aos poucos iremos mudar esta situação”, conclui Aline.

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo