RESILIÊNCIA            

Atleta vegana ocupa primeiro lugar em campeonato pela quarta vez

           
Foto: Divulgação

Competindo na categoria até 63 quilos, a atleta vegana Sahyuri (Sahy) Lalime levou a primeira colocação do Campeonato Belga de Powerlifting, realizado anualmente pela Federação Flamenga de Powerlifting (VGPF). É a quarta vez seguida que Sahyuri, que trabalha como personal trainer, marca presença no pódio.

Sahy garantiu a melhor performance em sua categoria após levantar 152,5 quilos no agachamento livre, 80 quilos no supino e 180 quilos no levantamento terra, totalizando 412,5 quilos, o que a destacou no overall.

Segundo o Great Vegan Athletes (GVA), a Sahy disse que está ansiosa para o mundial de 2022 na África do Sul. A atleta vem colecionando títulos desde 2018, quando começou a competir.

Lalime deixou de comer animais em 2003 e se tornou vegana em 2015. “Minha motivação baseia-se puramente em não querer contribuir com a morte de animais. Tendo vivido o trauma de perder minha mãe quando era criança, fiquei muito sensível à morte e não quis contribuir mais com esse tipo de dor e sofrimento na vida dos outros”, explica.

Militância

Sahy contou ao GVA que trabalhava em uma estação de rádio na universidade quando conheceu o movimento vegano através de um grupo de punks. “Eu ainda não sabia que a indústria de laticínios era tão vil, se não mais vil, do que a indústria da carne. Então eu quis fazer a transição para o veganismo.”

Ela relatou que ainda consumiu alguns produtos com laticínios durante certo tempo. “Eventualmente, meu sentimento de culpa sobre o sofrimento dos animais nas indústrias de laticínios e ovos superou minhas outras culpas e decidi me tornar vegana”, se orgulha.

Atualmente, a alimentação da atleta inclui aveia, banana, pasta de amendoim, mirtilo, tofu, arroz, brócolis, pepino e couve. “Também tomo muitos smoothies de proteínas, além de comer feijão, lentilha, grão-de-bico, tempeh, seitan, quinoa e frutas e vegetais da estação. Mantenho vegetais congelados para refeições rápidas. No inverno, faço sopa de lentilhas e ervilhas partidas”, detalha.

Neste ano, a atleta apresentou algumas lesões nas costas e nos quadris por causa de um acidente de bicicleta. Mesmo assim, ela conseguiu dar o seu melhor para garantir o título belga. “Estou realmente ansiosa para ter pelo menos seis meses de treinamento produtivo e sem lesões”, declarou Sahy, que agora se prepara para o campeonato mundial do ano que vem.

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo