COMPORTAMENTO            

Crise climática aumenta as taxas de “divórcio” dos albatrozes

Pesquisadores dizem que águas mais quentes significam que os pássaros estão viajando mais longe em busca de alimento e ficando mais estressados, provocando rompimentos de relacionamento            
Foto: Ilustração | Pixabay

Os albatrozes, uma das criaturas monogâmicas mais leais do mundo, estão se “divorciando” com mais frequência – e os pesquisadores dizem que o aquecimento global pode ser o culpado.

Em um novo estudo da Royal Society, os pesquisadores afirmam que as mudanças climáticas e o aquecimento das águas estão aumentando as taxas de rompimento dos albatrozes. Normalmente, depois de escolher um parceiro, apenas 1-3% se separam em busca de pastagens românticas mais verdes.

Mas nos anos com temperaturas de água excepcionalmente quentes, essa média aumentou consistentemente, com até 8% dos casais se separando. O estudo analisou uma população selvagem de 15.500 casais reprodutores nas Ilhas Malvinas ao longo de 15 anos.

Para as aves marinhas, águas mais quentes significam menos peixes, menos comida e um ambiente mais hostil. Poucos filhotes sobrevivem. Os hormônios do estresse das aves aumentam. Eles são forçados a ir mais longe para caçar.

Como alguns dos parceiros mais leais do reino animal, a vida amorosa dos albatrozes há muito tempo é objeto de estudo científico. “Existem todas essas coisas que consideramos ser super-duper-humanas”, diz o Dr. Graeme Elliot, principal consultor científico do departamento de conservação da Nova Zelândia, que estuda albatrozes nas águas do país há três décadas.

Os pássaros se prestam ao antropomorfismo: vivendo por 50-60 anos, eles passam por uma longa e estranha fase da adolescência enquanto aprendem a seduzir um parceiro através da dança e fazem viagens de anos para longe de casa à medida que amadurecem. Eles geralmente acasalam para o resto da vida e celebram em voz alta quando cumprimentam um parceiro após uma longa ausência.

Mas agora, eles compartilham cada vez mais outro rito de passagem que pode soar familiar para jovens humanos: sob o estresse da crise climática, trabalhando mais horas para comer e enfrentando as dificuldades logísticas de um companheiro de viagem, alguns estão lutando para manter relacionamentos.

Francesco Ventura, pesquisador da Universidade de Lisboa e co-autor do estudo da Royal Society, disse que os pesquisadores ficaram surpresos ao saber que águas mais quentes estão associadas a taxas anormalmente altas de casais de albatrozes se separando, mesmo quando a falta de peixes é contabilizada.

O divórcio dos albatrozes era geralmente previsto por uma falha reprodutiva, disse Ventura. Se um par não produzisse um filhote, eles tinham uma chance maior de se separarem. Menos comida para os pássaros pode levar a mais falhas. Mas os pesquisadores ficaram surpresos ao descobrir que mesmo quando eles levaram isso em conta, as temperaturas mais altas da água estavam tendo um efeito extra – aumentando as taxas de divórcio mesmo quando a reprodução era bem-sucedida.

Ventura sugeriu duas possíveis razões – uma que o aquecimento das águas estava forçando os pássaros a caçar por mais tempo e voar mais longe. Se as aves não retornarem para uma temporada de reprodução, seus parceiros podem seguir em frente com alguém novo. Além disso, quando as águas estão mais quentes e em ambientes mais hostis, os hormônios do estresse dos albatrozes aumentam. Ventura disse que os pássaros podem sentir isso e culpar seu parceiro.

Foto: Andy Rouse/PA

“Propomos a hipótese de culpar o parceiro – com a qual uma fêmea estressada pode sentir esse estresse fisiológico e atribuir esses níveis mais elevados de estresse ao mau desempenho do macho”, diz ele.

A pesquisa ocorre em um momento em que muitas populações internacionais de albatrozes estão com problemas. “O número deles está despencando”, Elliot. As populações de albatrozes errantes que ele estuda estavam agora diminuindo a taxas de 5-10% a cada ano, e vinham caindo desde cerca de 2005. Esses números decrescentes vêm como resultado de menos presas, aquecimento dos mares e crescentes encontros com barcos de pesca de atum com linha, que acidentalmente pegam e matam os pássaros.

A queda na população estava mudando os padrões de acasalamento dos pássaros de outras maneiras, disse Elliot, com mais casais homossexuais aparecendo. “Estamos vendo pares macho-macho entre as aves da Ilha Antipodes, o que não tínhamos antes”, disse ele. “Alguns por cento dos machos estão formando pares com outros machos porque não conseguem encontrar uma parceira fêmea.”

O estudo da Royal Society analisou uma população de albatrozes de sobrancelha negra nas Ilhas Malvinas, onde o número ainda era forte e onde o divórcio não era catastrófico, disse Ventura – os pássaros podiam encontrar outros parceiros. Mas ele disse que a mesma dinâmica pode se aplicar a outras populações de albatrozes e ter um efeito mais prejudicial onde o número de pássaros é mais frágil. “Se estamos falando de uma população com um número muito menor de casais reprodutores, a ruptura de um vínculo pode definitivamente induzir a alguma perturbação nos processos regulares de criação”, disse ele.

Agora, Elliot espera que algumas das simpatias que as pessoas têm pelos albatrozes possam motivar mudanças no comportamento, para lidar com as ameaças ambientais que as aves estão enfrentando – particularmente as mudanças climáticas e a pesca de atum. “Precisamos de uma campanha internacional para salvar essas aves”, diz Elliot. “Se não mudarmos isso, eles serão extintos.”

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo