DECEPÇÃO            

Austrália fica em último lugar entre 60 países por sua resposta política à crise climática

           
Foto: Ilustração | Pixabay

A resposta política do governo australiano à crise climática ficou em último lugar em uma avaliação de 60 países divulgada na cúpula global do clima, em Glasgow.

A falta de políticas climáticas do governo de Morrison, altas emissões per capita de gases de efeito estufa, metas fracas, baixos índices de energias renováveis ​​e altos níveis de uso de energia, deram ao país tal classificação.

O ministro de recursos da Austrália, Keith Pitt, disse esta semana que, como uma grande nação exportadora de combustível fóssil, o país continuará a produzir tanto carvão quanto outros países comprarem.

Paralelamente às negociações da Cop26, a Austrália se recusou a assinar um compromisso de reduzir as emissões de metano, um potente gás do efeito estufa, rejeitou os pedidos para eliminar o carvão, recusou-se a melhorar suas metas para 2030, mas promoveu a captura e armazenamento de carbono e hidrogênio como soluções.

O Índice de Desempenho das Mudanças Climáticas , que também inclui a União Europeia, cobre 92% das emissões globais de gases de efeito estufa e avalia os países em quatro categorias – políticas, emissões, energias renováveis ​​e uso de energia.

Os países recebem uma das cinco classificações, indo de “muito alto” a “muito ruim”. Nenhum país recebeu uma classificação geral de “muito alta” porque “nenhum país está fazendo o suficiente para prevenir mudanças climáticas perigosas”.

Os cinco países com melhor desempenho geral são Dinamarca, Suécia, Noruega, Reino Unido e Marrocos. Os cinco piores são Cazaquistão, Arábia Saudita, Irã, Canadá e Taiwan.

O segundo maior emissor do mundo, os Estados Unidos, subiu seis lugares em relação à posição do ano passado, mas sua resposta foi classificada como “muito ruim” no geral e ocupou a 51ª posição entre os 60 países. A China, maior emissor do mundo, ficou em 33º lugar.

No geral, a Austrália caiu quatro lugares no índice em relação ao ano anterior, quando estava em 50º, e foi o único país com pontuação zero na categoria de política climática, se saindo apenas ligeiramente melhor nas três outras áreas.

“A falta de ambição e ação do país chegou ao cenário internacional”, diz o relatório. “A Austrália ficou para trás em relação aos seus aliados, e sua inação atraiu críticas públicas na Cop26.”

O melhor desempenho da Austrália veio na categoria de energia renovável, onde recebeu uma classificação geral “baixa”.

Enquanto o uso de energia renovável estava crescendo na Austrália, o relatório diz que o país “falhou em aproveitar seu potencial [de energias renováveis] e outros países o ultrapassaram”.

Em duas das 12 subcategorias, a Austrália recebeu uma classificação “alta” – uma para a tendência de uso de energia per capita, que está caindo, e outra para a tendência crescente de consumo de energia renovável.

A classificação da Austrália leva em consideração a promessa do governo de atingir zero emissões líquidas de gases de efeito estufa até 2050, e o lançamento em outubro de uma estratégia de redução de emissões de longo prazo .

“Nenhuma nova política ou plano foi anunciado para acompanhar este anúncio [de outubro]”, diz o relatório.

O primeiro-ministro, Scott Morrison , disse a repórteres em Glasgow que “se quisermos que as emissões de todo o mundo diminuam”, o foco precisaria ser a redução dos custos das tecnologias.

O ministro da redução de emissões da Austrália, Angus Taylor , deixou a cúpula na semana passada dizendo que estava orgulhoso de ter representado a nação e que havia “enorme interesse” na abordagem do país. “Isso é fazer as coisas do jeito australiano”, disse ele.

Em um comunicado, Taylor disse que o relatório não é confiável: “ele empregam uma metodologia subjetiva, grosseira e não replicável para ranquear o desempenho de países, promovida por organizações de advogados para encaixar-se em seus próprios interesses.

[TWEET 1]

Conteúdo do tweet 1 (Angus Taylor MP – @AngusTaylorMP): E isso encerra o meu período em Glasgow na #COP26. Foi incrível conhecer e ouvir os líderes industriais mundiais. Eu estou orgulhoso de representar a impressionante trilha da Austrália, com suas inovações levando até o fim das emissões de GEE. #auspol

Suzanne Harter, ativista de mudanças climáticas e energia limpa na Australian Conservation Foundation, foi uma dentre sete especialistas que forneceram uma avaliação para a categoria de política climática do índice que analisou o desempenho da política nacional e internacional australiana.

Ela disse: “Não existe uma estratégia genuína, nenhuma meta provisória razoável ou qualquer investimento apropriado. Não há um plano de eliminação gradual dos combustíveis fósseis, nenhum crédito de carbono e os planos de tecnologia dependem de tecnologias que ainda nem existem”.

“Não existe uma política nacional de energia renovável, e somos um dos últimos países da OCDE sem padrões de eficiência para veículos”.

“Não só não temos uma política, mas o governo está indo na direção oposta. Na verdade, o governo está dando mais dinheiro para os combustíveis fósseis, como com a recuperação a gás”.

O índice é produzido pelos thinktanks Germanwatch, NewClimate Institute e Climate Action Network (CAN) International, uma coalizão de grupos de campanha climática.

Stephan Singer, da CAN, disse: “Os países que estão com pior desempenho climático são os maiores exportadores de combustíveis fósseis do mundo e grandes usuários de combustíveis fósseis, como EUA, Arábia Saudita, Rússia e Austrália”.

“Eles também pertencem ao grupo dos países que têm o maior consumo de energia per capita e emissões de CO2 de combustíveis fósseis, bem como poucas conquistas de energia renovável e eficiência energética”.

Na terça-feira, o governo Morrison lançou uma estratégia para veículos elétricos, que se concentrava em aumentar o número de estações de carregamento, mas ignorou os pedidos da indústria por subsídios, isenções de impostos e metas para promover maior alcance e aceitação desses veículos.

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo