CRISE CLIMÁTICA            

Um bilhão de pessoas sofrerão calor extremo com aquecimento de apenas 2°C

           
Foto: Ilustração | Pixabay

Um bilhão de pessoas serão afetadas pelo estresse extremo do calor se a crise climática aumentar a temperatura global em apenas 2°C, de acordo com uma pesquisa divulgada pelo UK Met Office na cúpula climática Cop26. Os cientistas disseram que isso seria um aumento de 15 vezes nos números expostos hoje.

O principal objetivo da Cop26 é manter a chance de limitar o aquecimento global a 1,5ºC, mas os delegados disseram que há muito trabalho a ser feito para alcançar isso na semana final da cúpula.

O Met Office avaliou a temperatura do termômetro de umidade, que combina calor e umidade. Quando essa medida atinge os 35ºC, o corpo humano não consegue se resfriar com o suor e até pessoas saudáveis sentadas à sombra morrerão em seis horas. A análise do Met Office usou um limite de temperatura do termômetro de umidade de 32°C, no qual os trabalhadores devem descansar regularmente para evitar a exaustão pelo calor, pelo menos 10 dias por ano.

Se os esforços para acabar com a emergência climática falharem e as temperaturas subirem 4ºC, metade da população mundial sofrerá com esse estresse extremo pelo calor.

O calor é o impacto mais óbvio do aquecimento global e o calor extremo em cidades em todo o mundo triplicou nas últimas décadas, de acordo com um estudo recente. No verão de 2020, mais de um quarto da população dos EUA sofreu os efeitos do calor extremo, com sintomas que incluíam náuseas e cólicas.

Pelo menos 166.000 pessoas morreram devido a ondas de calor em todo o mundo nas duas décadas até 2017, de acordo com a Organização Mundial de Saúde. O governo do Reino Unido foi repetidamente advertido por seus conselheiros oficiais do clima de que o país está “lamentavelmente despreparado” para o aumento do calor, especialmente em locais vulneráveis, como hospitais e escolas.

A análise do Met Office é derivada da pesquisa do projeto Helix, financiado pela UE, que também mapeia os riscos crescentes de enchentes de rios, incêndios florestais, secas e insegurança alimentar. Praticamente todo o mundo habitado é afetado por pelo menos um impacto.

Andy Wiltshire, do Met Office, disse: “Qualquer um dos impactos climáticos apresenta uma visão assustadora do futuro. Mas, é claro, mudanças climáticas severas irão causar muitos impactos, e nossos mapas mostram que algumas regiões serão afetadas por vários fatores.”

Os países tropicais, incluindo Brasil, Etiópia e Índia, são os mais atingidos pelo estresse extremo do calor, com algumas partes sendo empurradas para o limite da capacidade de vida humana. Mas o professor Albert Klein Tank, diretor do Met Office Hadley Center, disse: “Esses mapas revelam áreas do mundo onde os impactos mais graves estão projetados para ocorrer. No entanto, espera-se que todas as regiões do mundo – incluindo o Reino Unido e a Europa – sofram impactos contínuos das mudanças climáticas.”

Os cientistas vêm alertando sobre os níveis fatais de calor e umidade há alguns anos. Um estudo de 2015 mostrando o Golfo no Oriente Médio, o coração da indústria petrolífera global, definido para sofrer ondas de calor além do limite da sobrevivência humana se as mudanças climáticas não forem controladas.

O lugar mais mortal do planeta para futuras ondas de calor extremas será a planície do norte da China, uma das regiões mais densamente povoadas do mundo e a mais importante área de produção de alimentos no enorme país, de acordo com pesquisas de 2018.

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo