CRUELDADE            

Mais de 300 bois passam fome em fazenda e oito mortes são registradas

Um dos bois morreu no momento em que a polícia chegou ao local. Atolado e agonizando, ele foi alvo de uma tentativa de resgate, mas não resistiu à fome            
Foto: PMA/Divulgação

A Polícia Militar Ambiental (PMA) flagrou um crime de maus-tratos que condenou 337 bois a passar fome no município de Figueirão, no Mato Grosso do Sul. Um produtor rural de 43 anos foi multado e responderá judicialmente pela prática criminosa. Pelo menos oito animais morreram.

Durante a vistoria realizada pela polícia, um boi foi encontrado atolado e agonizando. Para tentar interromper esse sofrimento, a equipe se empenhou em resgatá-lo, mas o animal não resistiu e morreu.

O crime foi descoberto graças a uma denúncia anônima. Na segunda-feira (20), os agentes estiveram no local e se depararam com animais mortos, pasto degradado e desnutrição visível nos bois sobreviventes.

O produtor rural responsável pelos animais já havia sido notificado pela Agência Sanitária Animal de Vegetal (IAGRO) no mês passado, período em que os bois já estavam em condições de maus-tratos. A notificação, no entanto, foi ignorada pelo fazendeiro.

Foto: PMA/Divulgação

Ao vistoriar a propriedade recentemente, a polícia constatou que não havia alimento suficiente no local para alimentar os 337 bois e, por isso, notificou novamente o produtor rural, que mora em Fernandópolis, no interior do estado de São Paulo.

Através da notificação, as autoridades exigiram que o homem contrate um funcionário, dentro de 24 horas, para alimentar os bois e realizar o manejo dos animais. É solicitado ainda que um médico veterinário ou zootecnista também seja contratado.

Multado em R$ 12 mil nesta terça-feira (21), o fazendeiro será indiciado por crime ambiental e poderá ser punido com detenção de até um ano.

Foto: PMA/Divulgação

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo