INCONSTITUCIONAL            

STF proíbe matança de animais resgatados após maus-tratos

O ministro Gilmar Mendes argumentou que permitir que esses animais sejam mortos viola a Constituição Federal, que determina a proteção à fauna            
Galos explorados em rinhas estão entre as principais vítimas de decisões arbitrárias que os levam à morte (Foto: Pixabay/Ilustrativa)

O Supremo Tribunal Federal (STF) proibiu a matança de animais domésticos e silvestres resgatados após maus-tratos por considerar a prática inconstitucional.

A maioria dos ministros considerou que não é justificável matar animais que não estejam comprovadamente acometidos por doenças. A decisão atende a um pedido do partido político PROS.

Ao propor a ação, o partido pontuou que interpretações conferidas à Lei de Crimes Ambientais, em decisões do Poder Público e do Poder Judiciário, permitiam que animais resgatados após maus-tratos sejam mortos.

Para o relator da ação, o ministro Gilmar Mendes, permitir que esses animais sejam mortos viola a Constituição Federal, que determina a proteção à fauna. Os ministros Edson Fachin, Cármen Lúcia, Dias Toffoli, Rosa Weber, Alexandre de Moraes e Ricardo Lewandowski tiveram o mesmo entendimento do relator.

“No caso, observa-se que a interpretação da legislação federal proposta pelos órgãos administrativos e adotada pelas autoridades judiciais, ao possibilitar o abate de animais apreendidos em condições de maus-tratos, ofende normas materiais da Constituição”, afirmou o ministro.

Gilmar Mendes afirmou ainda que os problemas relacionados às despesas geradas pelos animais são relevantes, mas não podem justificar a matança.

“É certo que os problemas estruturais e financeiros mencionados nas decisões judiciais e nas manifestações administrativas são relevantes. Contudo, tais questões não autorizam o abate dos animais apreendidos em situações de maus-tratos, mas sim o uso dos instrumentos acima descritos, quais sejam a soltura em habitat natural ou em cativeiros, a doação a entidades especializadas ou a pessoas habilitadas e inclusive o leilão”, afirmou.

O ministro argumentou ainda que as autoridades públicas passaram a usar a norma de proteção aos animais “em sentido inverso ao estabelecido pela Constituição” para determinar que os animais resgatados sejam mortos.

Leilão de animais: objetificação e exploração

Sugerido pelo ministro Gilmar Mendes, o leilão de animais resgatados após maus-tratos não deveria ser visto como uma alternativa à matança. Isso porque, se por um lado matar animais é uma prática antiética e cruel, leiloá-los é também inaceitável, já que os reduz a uma condição de mercadorias passíveis de comercialização.

Além da exploração inerente à prática do leilão, os animais leiloados correm o risco de serem novamente submetidos a condições de maus-tratos. Por exemplo, galos resgatados de rinhas podem ser novamente forçados a brigar se forem leiloados ou podem cair nas mãos de compradores que os mate para consumo humano.

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo