DINAMARCA            

Ilhas Faroé registram o maior massacre de baleias da história

           
Foto: Reprodução | Sea Shepherd

Pescadores e caçadores mataram cerca de 1.500 baleias e golfinhos apenas esta semana no que está sendo considerado o maior massacre da temporada de caça das Ilhas Faroe. A organização Sea Shepherd registrou os caçadores puxando os cadáveres dos animais enquanto o mar estava complemente tingido de vermelho em razão do sangue das baleias e golfinhos.

Normalmente, cerca de 1.000 animais são mortos anualmente, mas este ano foram mortos 1.428 mamíferos marinhos. A prática de caça, conhecida como “grindadráp” consiste em cercar os animais em uma enseada com barcos e matá-los com arpões. Sem chance de fugir, esses animais são condenados a mortes profundamente lentas e dolorosas.

Foto: Reprodução | Sea Shepherd

O método de caça é criticado internacionalmente há anos e classificado como “bárbaro”, mas os ilhéus afirmam que estão apenas seguindo a tradição nórdica iniciada no século 9. Muitas pessoas que vivem na ilha se opõem à prática, mas temem represália de grupos conservadores e violentos que lucram com a venda e consumo dos animais.

A temporada de caça de baleias de golfinhos nas Ilhas Faroé já tentou ser proibida pela moratória internacional sobre a caça às baleias em 1986, mas os ilhéus conseguiram manter a autorização alegando que a caça é apenas para subsistência. A Sea Shepherd documenta o massacre de baleias na ilha desde os 80 e ainda se surpreende com a frieza dos caçadores.

Foto: Reprodução | Sea Shepherd

De acordo com a lei das Ilhas Faroé, baleias-piloto, golfinhos nariz de garrafa, golfinhos de bico branco e botos também podem ser caçados. A carne e a gordura dos animais são usadas para alimentação e remontam a uma época em que os habitantes locais dependiam da reunião de baleias e golfinhos para sobreviver, mas um estudo recente descobriu que a carne contém mercúrio.

A lei das Ilhas Faroé afirma que os animais devem morrer rapidamente e sem sofrimento, mas isso não acontece na prática. “Não há necessidade de carne nas Ilhas Faroe hoje em dia e não deveria estar acontecendo, muito menos nesses números. Matam os animais como um esporte, usando a tradição como justificativa, e é por isso que fazemos campanha contra isso”, disse um porta-voz da Sea Shepherd.

Foto: Reprodução | Sea Shepherd

Em setembro de 2018, a Sea Shepherd ofereceu aos ilhéus um milhão de euros por 10 anos consecutivos sem caça às baleias, mas a oferta foi recusada.

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo