EXAUSTÃO            

Cavalos forçados a puxar carroças se arrastam de cansaço na Bahia

Turistas que descansavam nas praias da região se revoltaram com as cenas de maus-tratos a cavalos que presenciaram            
Foto: Reprodução/RedeGN

Turistas que descansavam nas Dunas de Casa Nova, na Bahia, flagraram cenas de maus-tratos a cavalos e relataram, inclusive, ter visto animais se arrastando de cansaço. Uma foto mostra um dos cavalos sendo forçado a puxar uma carroça pesada sob forte sol em meio às dunas.

A região é um ponto turístico que atrai muitos turistas aos finais de semana. No entanto, se por um lado os dias ensolarados nas dunas são de muita diversão e descanso para as pessoas, para os cavalos resta apenas o sofrimento causado pela exploração imposta por carroceiros.

Além da dificuldade de suportar o peso da carga, os cavalos também sofrem para caminhar no denso areal e ficam esgotados de calor, sede e cansaço. De acordo com a denúncia feita ao portal RedeGN, há cavalos caquéticos forçados a puxar carroças e a maioria é obrigada a fazer o mesmo percurso várias vezes ao dia.

Uma turista que preferiu não ser identificada relatou que os cavalos também apanham dos carroceiros. “Quando fui reclamar com um por estar batendo, ele disse que eu precisava reclamar com todos, porque todos batiam. É um sufoco ver esses animais trabalhando forçadamente em meio a tanta areia. Eu via eles se arrastando de tão cansados”, afirmou.

Indignados, os turistas pedem que a Prefeitura de Casa Nova tome providências e proíba a exploração de cavalos para o transporte de mercadorias nas dunas. A administração municipal não se pronunciou sobre o caso.

Tração animal: exploração e tortura

Vistos pelos humanos como seres nascidos para serem explorados em prol dos interesses da sociedade, cavalos e burros são frequentemente tratados como máquinas. Forçados a puxar veículos de tração animal, eles vivem vidas miseráveis. Muitos sofrem maus-tratos constantes, incluindo agressões e privação de cuidados adequados.

Encontrar esses animais soltos em vias públicas, correndo risco de atropelamento, não é raro. Omissos com a tutela desses seres vivos, os tutores que buscam facilidades e se esquivam de trabalho, não querem mais nada além de forçar cavalos e burros a carregar cargas e transportar pessoas. Por isso, é comum que não exista preocupação com uma alimentação adequada, tampouco com a necessidade de mantê-los em um local confortável e que não os submeta a riscos.

Estudos comprovam que o peso de uma única pessoa sobre a coluna de um cavalo pode ser suficiente para prejudicar sua coluna – que dirá as cargas excessivas que esses animais são obrigados a transportar. O freio colocado na boca dos cavalos também gera feridas na língua desses animais e, ao serem puxados pela corda presa ao freio, eles sentem dor.

A vida na natureza, com outros animais, não faz parte da rotina da maior parte desses cavalos e burros. Isso porque até mesmo os que são criados na zona rural passam a maior parte do tempo puxando carroças, sem poder desfrutar da própria vida. Pastar livremente, dormir, interagir com outros animais, livres de celas, peso, incômodos e dores pode parecer pouco para humanos que consideram inútil respeitar o instinto de um animal. No entanto, as atividades executadas por conta própria definem quem são os cavalos, burros e quaisquer outros animais e devem ser respeitadas como o que são: a essência de cada um deles.

Nenhum animal nasce para atender às demandas humanas. Eles existem por propósitos próprios. Mas a humanidade só será capaz de entender isso quando aceitar que humanos não são superiores e não podem controlar, subjugar, maltratar, explorar e matar animais por terem interesses por trás dessas ações. Cada animal é uma vida e deve respeitado como sujeito de direitos – dentre eles, o direito de ser quem se é sem ser visto como um objeto à serviço dos seres humanos.

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo