PLANT BASED TREATY            

Jovem vegana é escolhida como embaixadora de tratado global contra às mudanças climáticas

           
Divulgação | Based Treaty

Com 12 anos de idade, a vegana Brunna Sachs, do Rio de Janeiro (RJ), foi escolhida como embaixadora do Plant Based Treaty, um tratado lançado no final de agosto do qual a ANDA é signatária e que tem como objetivo a adoção de uma dieta à base de vegetais no combate às mudanças climáticas, considerando o impacto da pecuária.

“Sou vegana desde os quatro anos de idade, por vontade própria, e sei a importância e os efeitos que nossas dietas têm em nosso ecossistema”, diz Brunna, que está na 7ª série do ensino fundamental e também atua como ativista em defesa dos animais.

“O planeta está enfrentando uma devastação irreversível e cabe a todos nós fazer a diferença e garantir que as próximas gerações realmente tenham um futuro”, afirma.

Mais do que embaixadora do tratado que tende a fortalecer o Acordo de Paris, Brunna é a primeira organizadora brasileira do Youth Climate Save, a organização jovem do Save Movement, que também tem como prioridade alertar sobre a relação entre a pecuária e as mudanças climáticas.

“Também sou colunista de um blog com foco no meio ambiente e de um programa de rádio para jovens, onde falo sobre meio ambiente e veganismo.”

A jovem faz um pedido para que as pessoas acessem o site Plant Based Treaty para baixar uma cópia do tratado que descreve os objetivos e apoiá-lo. Segundo o PBT, a iniciativa pretende colocar os sistemas alimentares na vanguarda do combate à crise climática.

O músico vegano Mobyé um dos apoiadores do tratado, assim como Dale Vince, da Ecotricity, do Reino Unido, a marca Lushe o revisor especialista do Painel Intergovernamental Sobre Mudanças Climáticas (IPCC), Peter Carter, do Climate Emergency Institute.

“Você também se juntará à ProVeg International, Social Compassion in Legislation e quatro membros do Parlamento Europeu (MEPs) – Anja Hazekamp, Tilly Metz, EVI Eleonora e Sylwia Spurek”, informa o tratado.

“Estamos enfrentando uma catástrofe climática e de acordo com o 6º relatório de avaliação do IPCC da ONU (2021), temos menos de cinco anos para mudar as coisas, caso contrário, estaremos diante de um cenário apocalíptico”, relatou.

Sobre o conteúdo, o Plant Based Treaty recomenda o mais recente documentário de David Attenborough, Breaking Boundaries, disponível na Netflix, que explora nove fronteiras planetárias e o papel que a pecuária tem em transgredir mais essas fronteiras do que qualquer outra indústria.

“Estamos pedindo aos cientistas, indivíduos, grupos, empresas e cidades que endossem este chamado urgente e pressionem os governos nacionais a negociar um tratado internacional”, finalizou Brunna Sachs.

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo