CICLO VICIOSO            

Calor, seca e fogo: como os perigos climáticos se combinam para uma catastrófica “tempestade perfeita”

           
Foto: Ilustração | Pixabay

O incêndio de Dixie, no norte da Califórnia, neste fim de semana, se tornou o maior incidente de incêndio que o estado já registrou, um gigantesco que arrasou cidades montanhosas, produziu chamas que atingiram 200 pés no ar e queimou cerca de 490.000 acres.

“É a tempestade perfeita”, diz Rick Carhart, oficial de informações públicas do departamento de exploração florestal e proteção contra incêndios da Califórnia (Cal Fire), acrescentando que o terreno difícil e íngreme, a vegetação ressequida e o clima quente e seco contribuíram para alimentar a conflagração que lançou chamas a 200 pés para o céu.

O incêndio em Dixie foi apenas um de uma série de grandes incêndios que afetaram a área nos últimos anos. “Tem sido um incêndio gigante e devastador após o outro.”, diz Rick.

Os pesquisadores estão preocupados que o recorde do incêndio em Dixie não se mantenha por muito tempo. As paisagens ressequidas e o aumento das temperaturas que prepararam o terreno para incêndios maiores neste ano não são anomalias – são tendências. E as condições vão piorar.

Um trio da crise climática

Seca, calor extremo e infernos destrutivos são devastadores por si só, mas juntos causam calamidade. A combinação aumenta seus efeitos e faz com que cada condição individual se intensifique. Os cientistas dizem que estão vendo a trifeta com mais frequência no Oeste e que a queda do clima é o principal culpado.

“É sobre isso que os cientistas do clima vêm alertando há anos”, diz Park Williams, hidro climatologista da Universidade da Califórnia, em Los Angeles.

A seca e o fogo sempre fizeram parte do clima no Oeste dos Estados Unidos, mas o aumento do calor, que os cientistas dizem ser diretamente atribuível à mudança climática causada pelo homem, teve um impacto devastador. “Essas coisas se amplificam”, diz Williams, acrescentando que os efeitos aumentam exponencialmente.

As condições climáticas não agem sozinhas, e as políticas de incêndio e água desempenham um papel no aumento dos riscos e na determinação do resultado. A maioria dos incêndios ainda é iniciada por pessoas. A expansão das comunidades em áreas florestais e sujeitas a incêndios adiciona novas dimensões que complicam os esforços de contenção quando os incêndios aumentam. Mas o que está acontecendo no meio ambiente tornou os incêndios muito mais difíceis de combater.

É por isso que novos registros não apenas eliminam os antigos – eles os ocultam. Em 2020, os 4,2 milhões de acres queimados na Califórnia eram quase o triplo do recorde anterior. Este ano, os incêndios queimaram três vezes mais terra do que a essa altura em 2020, de acordo com Cal Fire.

“E realmente não há fim à vista para a capacidade desse tipo de coisa acontecer novamente”, diz Williams.

Um ciclo vicioso de calor e seca

O calor afeta a seca de várias maneiras. As temperaturas mais altas fazem com que a precipitação caia como chuva em vez de neve. A neve que cai derrete muito mais rapidamente, deixando menos para gotejar em riachos, rios e reservatórios. Pessoas, plantas e animais dependem da neve acumulada para alimentar os sistemas de água e com menos disponibilidade, a paisagem e tudo o que vive nela ou fora dela sentirá a tensão.

O calor também remove a umidade da paisagem. Quanto mais quente, mais plantas aquáticas e animais precisam se autorregular, e isso aumenta ainda mais a escassez de água. O que torna tudo isso mais complicado é que a relação também funciona na outra direção – as condições de seca aumentam o calor.

“O calor é tanto uma resposta à seca quanto um impulsionador da seca”, diz Andrew Hoell, meteorologista do laboratório de ciências físicas da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional. Solos secos irradiam e refletem a energia do sol que, de outra forma, seria usada na evaporação. Isso eleva ainda mais as temperaturas da superfície.

“Assim como ficamos com frio quando saímos de uma piscina, a terra esfria quando a água evapora”, diz Hoell. “Quando o solo está seco, quando está quente, não há tanta água disponível para evaporar. Isso significa que a Terra não consegue esfriar.”

É por isso que Hoell chama as mudanças climáticas de “multiplicador de ameaças”. À medida que a região fica mais quente e seca, aumenta o risco de pequenas faíscas rapidamente se transformarem em incêndios florestais enormes e irregulares.

Os incêndios adicionam outra dimensão à ameaça

Uma nova pesquisa também sugere que os próprios incêndios florestais aumentarão a seca e o calor, adicionando uma nova dimensão ao ciclo catastrófico. Os pesquisadores estão discutindo hipóteses, explica Hoell, de que a fumaça e os aerossóis liberados na atmosfera por incêndios florestais podem alterar os padrões climáticos. Já existem estudos que mostram que incêndios florestais influenciam a formação de nuvens no céu e podem diminuir a precipitação.

“É muito dinâmico e complicado, mas é para onde estamos indo como uma comunidade científica – estamos tentando descobrir como os incêndios florestais se alimentam da seca”, disse ele.

Os pesquisadores também estão investigando como os dosséis reduzidos de florestas dizimadas em incêndios expõem a camada de neve que antes era protegida pelo sol.

Embora mais pesquisas sejam necessárias para melhor entender essas relações complexas, o registro científico é claro quanto ao fato de que o aumento do calor levará a um aumento de eventos extremos.

“A temperatura global da superfície continuará a aumentar até pelo menos meados do século em todos os cenários de emissões considerados”, de acordo com o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas em seu sexto relatório, divulgado na segunda-feira, que passou a detalhar e listar o aumento esperado em frequência e intensidade de extremos de calor, secas ecológicas e reduções no gelo marinho do Ártico, cobertura de neve e permafrost, junto com outras condições catastróficas.

“Em todos os cenários futuros e níveis de aquecimento global, espera-se que as temperaturas e temperaturas extremas continuem a aumentar”, disse o relatório sobre a América do Norte e Central, atribuindo o aumento à “influência humana”.

Os modelos mostram que as ondas de calor extremas devem acontecer com mais frequência, com mais intensidade e em áreas maiores de terra apenas nas próximas três décadas. “Historicamente, tivemos entre quatro e seis eventos de calor extremo em um determinado ano”, disse Steve Ostoja, diretor do USDA California Climate Hub. “Em 2050, esperamos que esse número chegue a algo entre 25 e 30 eventos. Essa é uma grande diferença. Isso basicamente significa que vai fazer calor o tempo todo.”

Não há tempo a perder

As tendências já estão sendo sentidas. Atualmente, cerca de metade dos EUA contíguos está em seca, segundo agências federais. Todo o estado da Califórnia está passando por condições de seca, com mais de 88% do estado na categoria “seca extrema”, conforme determinado pelo Monitor da Seca dos EUA. Enquanto isso, dezenas de estações climáticas em todo o Oeste documentaram os meses mais quentes de junho e julho, conforme as ondas de calor extremas aumentaram as temperaturas em toda a região.

Ecossistemas estressados já se tornaram mais vulneráveis. Os desastres taxaram árvores, que estão sendo devastadas por doenças e pragas. Estudos mostram que cerca de 150 milhões de árvores morreram no último período de seca e bilhões de criaturas que vivem ao longo das costas pereceram durante ondas de calor neste verão.

Cientistas do clima dizem que ainda há tempo para fazer grandes mudanças, e há uma chance de que os piores efeitos da mudança climática possam ser evitados. Mas não há tempo a perder.

No Oeste, os incêndios florestais, a seca e o calor já estão causando estragos. Williams, o cientista climático da UCLA, diz que há indicações claras de que lugares como a Califórnia não parecerão como agora por muito mais tempo. A paisagem está crescendo árida, e à medida que fica mais seca e mais quente, haverá mais incêndios. Isso levará a menos florestas e mais pastagens, arbustos e desertos.

“O fogo existe há centenas de milhões de anos e é uma parte crítica do sistema da Terra”, disse ele. Mas os fogos do futuro farão muito mais do que limpar a vegetação rasteira. “Agora, os incêndios que estamos vendo estão eliminando completamente manchas gigantes de floresta”, acrescentou, explicando que muitas espécies de árvores não evoluíram tão rapidamente a tempo de repovoar as lacunas gigantes.

“Pode levar centenas de anos para Ponderosa ou pinheiro Jeffrey – que vemos muito na Serra Nevada – realmente reocupar manchas gigantes de floresta”, disse ele. “Até lá, o clima pode ser totalmente inadequado para essas espécies.”

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo