AVENTURAS            

Cão ciclista fica eufórico ao sair de casa para fazer trilhas de bicicleta com o tutor

Usando óculos de proteção contra o vento e roupinha, Katraka é colocado dentro de uma mochila própria para transporte de cachorros nos dias em que sai para passear de bicicleta com seu tutor            
Foto: Fabio Rodrigues/G1

Katraka, um cachorro da raça pinscher, não consegue ouvir a palavra “pedalar” sem ficar completamente tomado por uma enorme euforia. Conhecido como um cão ciclista, ele acompanha o frentista Sandro Farias, de 41 anos, em trilhas de bicicleta em São Carlos, no interior de São Paulo.

A presença do cachorro nas aventuras do tutor chamam a atenção por onde quer que Sandro passe. Não é incomum, inclusive, que crianças e adultos peçam para tirar fotos ao lado de Katraka, que tem 1 ano e 9 meses e já ganhou até perfil em rede social.

Usando óculos de proteção contra o vento e roupinha, Katraka é colocado dentro de uma mochila própria para transporte de cachorros nos dias em que sai para passear de bicicleta com seu tutor.

Desde 2019, o pinscher é a alegria da casa. Além de Sandro, sua esposa, Kátia Farias, também é bastante apegada ao animal, tratado como membro da família. Katraka chegou ao lar quando tinha apenas dois meses de idade e, desde então, vive cercado de cuidados e afeto. O carinho da família é também uma retribuição ao amor que o cachorro oferece ao casal, tendo inclusive ajudado Kátia a superar uma depressão.

“No início ela não queria, mas foi se acostumando com o jeitinho, brincando e hoje ele é o xodó dela, o companheiro das caminhadas”, contou Sandro ao G1. Segundo ele, a ideia de levar o cachorro para as trilhas já existia há bastante tempo, mas foi concretizada recentemente após o frentista conhecer a história de Yellow, uma cachorra que passou a acompanhar seu tutor ciclista em passeios pela capital de São Paulo após ser abandonada em uma pista de mountain bike.

Preocupado com o bem-estar de Katraka, Sandro questionou o veterinário do cachorro sobre a possibilidade de levá-lo às trilhas. O profissional, então, informou que ele deveria esperar o cachorro completar um ano de idade e também o orientou sobre cuidados a serem tomados.

Foto: Arquivo Pessoal

Seguindo as orientações recebidas, o tutor começou a levar o cachorro após ganhar uma bolsa de transporte de uma amiga que também pratica o ciclismo. No começo, ele pedalava por dois quilômetros carregando o cachorro nas costas. “Eu ia na casa da minha mãe e voltava. Aos poucos fui aumentando para cinco, dez quilômetros. Hoje, já pedalamos até 80 quilômetros”, contou.

O óculos usado pelo cachorro também foi um presente e Katraka só não gosta de usá-lo quando não está sobre a bicicleta. Durante os passeios, além dos acessórios, o frentista não esquece de levar água, ração e brinquedos para o cão utilizar nas paradas. “Quando ele quer fazer as necessidades, ele começa a lamber minha orelha, às vezes até late. Então eu paro, tiro da bolsinha, ele vai lá, faz e volta”, contou.

Nos momentos em que o tutor está no trabalho, Katraka fica em casa fazendo companhia à esposa do frentista. E sempre que possível, o casal leva o cachorro quando precisa ir a algum lugar. “Todo lugar que a gente vai, a gente tenta levar [o cachorro], não dá pra deixá-lo. Ele é da família e a gente trata como se fosse filho”, concluiu Sandro.

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo