CRIME            

Pinguins são encontrados mortos com sinais de tortura em Santa Catarina

Os animais marinhos apareceram na praia de Canasvieiras. Um deles estava com o crânio fraturado e o outro tinha uma corda presa ao seu pescoço com uma pedra na outra extremidade            
Foto: Divulgação

Dois pinguins foram encontrados mortos em Florianópolis, no estado de Santa Catarina. Os corpos apresentavam sinais de tortura e de maus-tratos, conforme alertado pela instituição que fez o resgate dos animais, a Associação R3 Animal.

Os animais marinhos apareceram na praia de Canasvieiras. Um deles estava com o crânio fraturado e o outro tinha uma corda presa ao seu pescoço com uma pedra na outra extremidade, usada para mantê-lo submerso, matando-o por afogamento.

Retirados da praia por uma equipe da Guarda Municipal de Florianópolis, os corpos foram levados ao Centro de Pesquisa, Reabilitação e Despetrolização de Animais Marinhos (CePRAM/R3Animal). Embora estejam em estado avançado de decomposição, ambos serão submetidos a exames de necrópsia.

A equipe da instituição informou que acompanhava uma ocorrência de encalhe de baleia-jubarte morta, na Praia do Campeche, quando os pinguins-de-magalhães foram encontrados mortos.

“Em nosso trabalho de resgate e reabilitação de animais marinhos, às vezes, presenciamos cenas que são difíceis de entender e questionamos até onde vai a crueldade humana”, lamentou a R3.

Nesta mesma semana, 59 pinguins foram encontrados mortos em praias das cidades catarinenses de Passo de Torres e Araranguá. A ONG Educamar acredita que a causa da morte seja poluição.

“[Pinguins] Adultos mortos são um forte indicador de causas humanas, como poluição e incidentes com o setor da pesca”, afirmou a instituição.

A suspeita dos especialistas da Educamar é de que os pinguins tenham chegado às praias ainda com vida. As mortes podem ter ocorrido por não terem sido resgatados a tempo.

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo