HABITATS DEVASTADOS            

Crise climática intensifica conflitos entre humanos e vida selvagem

           
Foto: Agence France-Presse

Tanto os eventos climáticos repentinos quanto os impactos de longo prazo do aumento da temperatura do planeta, como a perda de gelo do Ártico, podem estar aumentando os confrontos entre pessoas e animais, de acordo com a Dra. Briana Abrahms, professora assistente de biologia da Universidade de Washington.

Escrevendo na revista Science, a Dra. Abrahms argumenta que há evidências crescentes que sugerem que eventos climáticos extremos, como secas, ondas de calor e incêndios florestais, podem levar a mais confrontos entre humanos e animais selvagens.

“Aqui no oeste americano, estamos tendo um grande aumento de incêndios florestais extremos. Quando isso acontece, os animais são forçados a escapar da floresta e muitas vezes acabam se mudando para áreas dominadas por humanos”, disse ela ao The Independent.

“Já ouvi muitas histórias de pessoas que viram ursos e outros grandes carnívoros se mudando de sua região para escapar de incêndios – embora, até onde eu sei, isso ainda não tenha sido propriamente analisado em um estudo científico”.

Pesquisadores já registraram anteriormente um aumento nos ataques de elefantes a humanos após secas extremas na Índia, acrescentou ela. Isso provavelmente ocorre porque secas causam danos generalizados às plantas, fazendo com que elefantes entrem em áreas humanas para encontrar comida, ela explica em seu artigo.

Outra pesquisa encontrou uma ligação entre as ondas de calor marinhas e o aumento do conflito entre grandes baleias e humanos.

“Em 2015 e 2016, houve um aumento dramático no número de baleias emaranhadas em equipamentos de pesca na costa oeste dos Estados Unidos”, disse a Dra. Abrahms. “[Ao mesmo tempo], houve uma onda de calor marinha sem precedentes na costa da América do Norte”.

A onda de calor causou mudanças na distribuição dos peixes, o que provavelmente fez com que as baleias e as comunidades pesqueiras se aproximassem, explicou ela. Isso “criou uma perfeita sobreposição de eventos, e levou diretamente a um aumento do emaranhamento de baleias”.

Embora nem toda ocorrência climática esteja ligada à crise climática, um crescente número de evidências sugere que o aquecimento global causado pelo homem está tornando muitos tipos de eventos climáticos extremos mais intensos e mais prováveis ​​de ocorrer.

“O que vemos globalmente é um aumento muito, muito forte na probabilidade de ocorrência de ondas de calor”, disse o Dr. Friederike Otto, um importante especialista em climas extremos e diretor associado do Instituto de Mudança Ambiental da Universidade de Oxford, em um evento realizado pelo The Independent na noite de quarta-feira.

“As mudanças em outros tipos de eventos são menores, mas também vemos aumentos na probabilidade e intensidade de precipitação extrema. E especialmente em regiões já secas, vemos um agravamento da seca”.

As mudanças de longo prazo causadas pela crise climática também podem intensificar os conflitos entre pessoas e a vida selvagem, acrescentou Abrahms.

Ela apontou um estudo anterior que descobriu que os conflitos entre humanos e ursos polares triplicaram ao longo de um período de 30 anos na baía de Hudson, no Canadá, à medida que os níveis de gelo do mar diminuíam, forçando os ursos a passar mais tempo em terra.

Enquanto isso, uma pesquisa conduzida no Himalaia descobriu que o aumento da temperatura forçou as ovelhas azuis a se moverem para altitudes mais baixas – levando-as a danificar as safras de subsistência dos agricultores locais.

Embora existam vários exemplos de como a crise climática pode estar agravando os conflitos entre humanos e animais em todo o mundo, mais pesquisas são necessárias para compreender completamente as ligações, acrescentou o Dr. Abrahms.

“Precisamos ver o quão difundido isso é”, disse ela.

“Um esforço mais concentrado dos cientistas para considerar a influência das mudanças climáticas nesses conflitos poderia nos ajudar a prever quando esses conflitos ocorrerão – e talvez até mesmo evitá-los”.

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo