ENCALHE            

Tartaruga ensanguentada é encontrada morta em praia no litoral da Bahia

Uma testemunha que encontrou a tartaruga morta informou que ela tinha ferimentos na região da boca e aparentava estar com o casco ferido            
Foto: Aderbal Amaral

Uma tartaruga marinha foi encontrada morta na manhã da última terça-feira (3) no litoral da Bahia. O corpo do animal estava em Praia Grande, no Subúrbio Ferroviário de Salvador, e foi encontrado por um morador da região.

O homem passava pela praia por volta das 10 horas quando se deparou com a tartaruga morta. Segundo ele, o animal marinho estava na areia, próximo à estação do antigo trem do subúrbio.

De acordo com o morador, a tartaruga aparentava ter mais de meio metro de comprimento. Ensanguentada, ela apresentava ferimentos na região da boca. O casco do animal, ainda segundo a testemunha, também aparentava estar machucado. O homem informou ainda que outros animais marinhos já foram encontrados mortos na região.

Ameaçada de extinção

O animal marinho encontrado morto na praia pertencia à espécie tartaruga-cabeçuda, segundo informações do Projeto Tamar concedidas em entrevista ao G1. A equipe do projeto, que é voltado à preservação de tartarugas, relatou que a remoção do corpo do animal está prevista para a manhã de quarta-feira (4) e deve ser realizada por uma equipe da Limpurb.

Foto: Aderbal Amaral

As tartarugas-cabeçudas são uma das espécies de tartaruga nativas do Brasil. Todas elas estão sob ameaça de extinção. Por isso, mesmo a morte de um único animal é preocupante, já que cada vida conta na luta pela preservação.

A pesca e a poluição marinha

Duas das principais causas de mortes acidentais de animais marinhos são a pesca e a poluição. Golfinhos e tartarugas costumam ficar presos em redes de pesca e morrem por afogamento. Também são registrados casos de animais que se ferem após serem atropelados por embarcações, muitas delas pesqueiras.

Quando escapam das redes, muitos deles acabam consumindo resíduos sólidos que vão parar nos oceanos por conta do descarte irregular, da falta de conscientização da sociedade e da ausência de políticas públicas que norteiem a destinação correta do lixo. Ao confundirem plástico com alimento, muitos animais marinhos consomem esses produtos, adoecem e morrem.

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo