FINAL FELIZ            

Tutora reencontra vaca que havia desaparecido em MG: ‘Estou muito feliz’

Tutora da vaquinha, a médica veterinária Mariana Perpétuo Dias comemorou o reencontro e falou sobre o medo que sentia de Anastácia já estar morta            
Foto: Mariana Perpétuo Dias/Arquivo pessoal

Chegou ao fim o sofrimento da tutora de Anastácia, a vaquinha que havia desaparecido em Ribeirão das Neves, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, em Minas Gerais. Após uma semana de buscas, o animal foi encontrado, para o alívio da médica veterinária Mariana Perpétuo Dias, que trata a vaca como membro da família.

O reencontro entre tutora e animal aconteceu na tarde de quinta-feira (29). “Ainda não posso dar muitos detalhes, a pedido da polícia, mas parece que foi roubo mesmo. Ela está muito longe daqui. Na hora que a moça me mandou o vídeo, eu comecei a gritar, a chorar, desesperei. Estou muito feliz”, relatou ao G1 a médica veterinária.

A vaca foi encontrada em uma fazenda de Pará de Minas graças a denúncias feitas por testemunhas. O caso está sendo investigado pela 2ª Delegacia de Ribeirão das Neves desde a última quinta-feira (22), quando um boletim de ocorrência foi registrado.

“Eu achei que ela estava morta. Estou super aliviada. Eu ficava imaginando ela sem comida, sem água, que tinham dado machadada nela. Nesse momento eu estou só agradecendo”, afirmou a tutora.

Foto: Mariana Perpétuo Dias/Arquivo pessoal

A vaca vivia na Fazenda Escola do Centro Universitário de Belo Horizonte (UniBH), no bairro Savassi. A primeira pessoa a perceber que o animal havia desaparecido foi o funcionário responsável por cuidar de Anastácia. Após notar que a vaca não estava em sua baia, o homem fez buscas durante dois dias em vários locais por onde a vaquinha costumava caminhar, mas não obteve sucesso.

No boletim de ocorrência, consta a informação de que o tratador de Anastácia teria percebido “que a cerca havia sido arrombada”, o que indicava que a vaca poderia ter sido levada por criminosos. As circunstâncias do sumiço do animal causaram estranheza para a tutora, isso porque quadrilhas que sequestram bois e vacas para matá-los para consumo humano costumam ter como vítimas animais mais gordos que Anastácia.

Mariana mora em Belo Horizonte e costumava viajar semanalmente até Ribeirão das Neves para visitar a vaquinha, que agora passará a viver em um Haras na Pampulha, em Belo Horizonte, para ficar perto da tutora.

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo