DESPEDIDA            

Filhote de orca morre após ser acolhido por ambientalistas na Nova Zelândia

O filhote foi resgatado após se perder da mãe e ficar sozinho no oceano durante duas semanas            
Foto: AFP/Arquivos

Um filhote de orca que foi acolhido por ambientalistas após se perder da mãe morreu na última sexta-feira (22) na Nova Zelândia. Com aproximadamente seis meses de idade, o animal foi resgatado após encalhar em Wellington, capital do país. Na ocasião, ele já estava distante de sua mãe há duas semanas.

Com quase 2,5 metros de comprimento, o filhote ainda dependia do leite de sua mãe para sobreviver e, por isso, foi mantido em cativeiro em um local improvisado na costa de Plimmerton, onde passou a ser alimentado a cada quatro horas.

Enquanto parte da equipe lutava para mantê-lo vivo, o restante realizava operações marítimas e aéreas na tentativa de localizar a mãe de Toa, como passou a ser chamado o filhote. Os esforços, no entanto, não foram suficientes para garantir a sobrevivência do animal, conforme anunciou a Whale Rescue, organização sem fins lucrativos que participou das ações de cuidado ao filhote pós-resgate.

De acordo com a instituição, o quadro de saúde de Toa se agravou na noite de quinta-feira. “Os veterinários correram para atendê-lo, mas não puderam salvá-lo”, relatou um porta-voz da entidade através de um comunicado enviado à agência de notícias AFP.

O risco de Toa morrer, no entanto, já era de conhecimento dos especialistas. Isso porque, conforme relatado pelo gerente de espécies marinhas do Departamento de Conservação, Ian Angus, quanto mais tempo o filhote permanecesse em cativeiro longe da mãe, maior seria a chance de sua saúde se deteriorar.

No entanto, embora a notícia da morte do animal tenha gerado consternação, Angus fez questão de reforçar que “Toa morreu rapidamente, rodeado de amor” que “seus últimos dias foram os mais confortáveis possíveis”.

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo