TRANQUILIDADE            

Aves marinhas aproveitam a pandemia para fazer ninhos em novos locais

Os guardas do National Trust estão ansiosos para ver como o retorno dos turistas afetará os novos hábitos das aves            
Foto: Ilustração | Pixabay

Não foram apenas os humanos que mudaram seus hábitos como resultado da pandemia. Nas Ilhas Farne, no nordeste da Inglaterra, as aves marinhas têm usado Covid como uma oportunidade para experimentar novos locais de para ninhos enquanto os guardas florestais e os turistas ficam longe.

Embora a ausência de pessoas tenha sido uma bênção para algumas espécies, tornou a vida mais difícil para outras.

Os guardas-florestais suspeitam que as andorinhas do Ártico se mudaram para novas ilhas em parte porque a equipe do National Trust, que normalmente afastaria os predadores de aves marinhas, não conseguiu fazê-lo devido às restrições de quarentena.

A Covid fez com que uma “equipe esqueleto” realizasse o trabalho central de conservação nas ilhas, e viu predadores como gaivotas de cabeça preta se tornarem mais prevalentes em algumas áreas.

As ilhas, na costa de Northumberland, foram reabertas aos visitantes em 21 de junho, após um fechamento de 18 meses.

As Ilhas Farne abrigam cerca de 100.000 pares de aves marinhas criando ninhos, incluindo três espécies de andorinhas-do-mar, eiders, shags, papagaios-do-mar, razorbills, gaivotas e guillemots.

Os guardas-florestais estão ansiosos para ver como o retorno dos turistas afetará os novos hábitos dos pássaros.

“Uma das consequências fascinantes de não ter visitantes nas ilhas no último ano e meio foi o efeito que parece ter causado na vida selvagem”, disse Harriet Reid, guarda florestal do Farne Islands National Trust.

“Embora o número de andorinhas do Ártico pareça ter reduzido em Inner Farnes, eles provavelmente aproveitaram a oportunidade para fazer seus ninhos nas ilhas externas, incluindo a colônia do National Trust em Beadnell Bay, outras ilhas como Brownsman e Staple, Lindisfarne e RSPB Coquet.

“Acreditamos que esta é a primeira vez que isso acontece e pode ser o resultado de vários fatores, incluindo gaivotas mudando seu comportamento e os locais que frequentam devido à falta de pessoas.”

A contagem de papagaios-do-mar e aves marinhas ocorre nas Ilhas Farne há mais de 50 anos, mas foi realizada em um formato limitado no ano passado devido à pandemia.

A contagem dos papagaios-do-mar deste ano está em andamento e os primeiros sinais mostram que eles tiveram outro bom ano, apesar de algumas tocas baixas terem sido inundadas pelas chuvas fortes recentes.

“Embora o mau tempo recente tenha destruído algumas das tocas de papagaios-do-mar nas partes mais baixas de algumas ilhas, ironicamente parece que os papagaios-do-mar tiveram outra temporada de reprodução positiva, com muitos filhotes nascendo nas últimas semanas”, disse Reid.

Embora os resultados do monitoramento anual das espécies não serem conhecidos ainda durante alguns meses, parece que fulmars, kittiwakes, guillemots e shags também se saíram bem no ano passado.

“O que vai ser realmente interessante de ver é o efeito que o retorno dos visitantes tem no comportamento das aves marinhas. Pode ser que vejamos os novos locais ocupados por andorinhas do Ártico novamente no próximo ano, juntamente com seu retorno a Inner Farne.”

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo