RECOMEÇO

Filhote de lobo-guará resgatado após ficar órfão se prepara para retornar à natureza

Monitorada pela equipe da organização não governamental (ONG) Onçafari, a lobinha foi batizada de Pequi após ser salva com seus quatro irmãos            
(crédito: Divulgação/Zoológico Brasília)

Encontrada junto de seus irmãos, uma fêmea de lobo-guará corria risco de morte após ter ficado órfã. No dia do resgate, em junho do ano passado, a mãe dos bebês foi encontrada morta a cerca de 10 km de distância da toca que fez para proteger seus filhos.

Monitorada pela equipe da organização não governamental (ONG) Onçafari, a lobinha foi batizada de Pequi após ser salva com seus quatro irmãos em uma mata nas proximidades da Fazenda Trijunção, na divisa entre os estados de Goiás, Minas Gerais e Bahia.

Após receberem os primeiros cuidados, os cinco irmãos iniciaram um processo de reabilitação e Pequi foi escolhida para integrar a fauna do Distrito Federal. O projeto de reintrodução da fêmea, que recebeu o nome de “Uma lobinha chamada Pequi”, busca patrocinadores para as obras de construção de um recinto de aclimatação para a loba.

Junto de seus irmãos, a lobinha integra uma pesquisa que tem como objetivo criar um protocolo que guie trabalhos de reintrodução da espécie no habitat. Isso porque atualmente não existem protocolos do tipo.

Filhotes desidratados e anêmicos

Resgatados em 24 de junho de 2020, os filhotes – três fêmeas e dois machos – estavam dentro de uma toca na Bahia. No mês seguinte, todos foram levados para o Zoológico de Brasília, onde foram submetidos a exames que diagnosticaram quadros de desidratação e anemia.

“O nosso intuito era fazer com que esses animais sobrevivessem, porque a taxa de mortalidade é alta. Eles sobreviveram, cresceram com saúde. Três foram para o Parque Vida Cerrado, na Bahia, e outros dois voltaram para a Fazenda Trijunção”, relatou ao Correio Braziliense o biólogo diretor de mamíferos da instituição, Filipe Carneiro Reis.

Pequi foi um dos filhotes levados de volta à Bahia. Atualmente, ela aguarda para ser transferida para o Distrito Federal. “Lá, o recinto do criadouro estava afastado do público, o que é ideal para animais que vão ser reintroduzidos. Aqui, em Brasília, todos já estavam cheios”, explicou Filipe.

“Estamos preparando Pequi para a vida livre, e esse é o nosso grande objetivo. Elaborar o protocolo melhor para que a gente tenha sucesso. Não é algo simples, a gente tem que manter o animal mais distante possível do ser humano. Não existe um protocolo definitivo ainda”, concluiu.

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo