DESCARTADOS

Cavalos explorados em corridas são enviados para matadouro e entram em desespero

           
Foto: Reprodução | Animal Aid

Uma investigação feita pela BBC revelou os bastidores do destino dos animais explorados em corridas quando perdem a utilidade para os seus algozes. Imagens mostram os animais sendo transportados para um matadouro na Inglaterra. Alguns dos cavalos tem apenas dois anos de idade e estão saudáveis. Quando percebem que serão mortos, eles entram em completo desespero.

Muitos dos cavalos encaminhados para o matadouro ganharam diversas provas e campeonatos no passado, mas sofreram lesões e foram descartados pela indústria do hipismo. Os cavalos condenados à morte tê origem na Irlanda e Inglaterra. Estima-se que desde de 2019, mais de 4.000 abusados em corridas tenham sido enviados para o matadouro.

O principal método escolhido para para dar fim à vida dos animais são tiros na cabeça dos animais. Um consultor da Animal Aid instalou câmeras no matadouro e registrou o sofrimento e desespero dos cavalos que são obrigados a ver outros animais serem mortos na sua frente. Todas as regras de bem-estar animal estão sendo descumpridas no local.

Os animais são sofrem atordoamento e um dos cavalos chegou a ser baleado mais de 25 vezes e ainda é visto se mexendo, agonizando. Os cavalos que chegam ao matadouro viajam milhares de quilômetros e chegam extremamente debilitados, cheios de ferimentos e doentes. Após toda uma vida de exploração, esses animais são condenados a uma morte cruel e desumana.

Órgãos de fiscalização ingleses afirmam que iniciaram uma investigação.

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo