REFLEXÃO

Covid-19 suscita debate sobre a importância da preservação ambiental

Entenda como o desmatamento de florestas, e o comércio de animais selvagens, disseminam vírus mortais            

Na manhã de sexta-feira (9/7) foi transmitido pela TV Senado o debate proposto pela senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA). Na reunião, que contou com senadores e convidados, também foram debatidos os reflexos do coronavírus no ecossistema e um plano para amenizar os impactos ambientais pós-pandemia.

A senadora pontua que o desmatamento, além de agravar as mudanças climáticas, provoca um desequilíbrio que pode deixar humanos vulneráveis a vírus de outras espécies.

Fonte: Pixabay

A Agência Senado publicou que a sessão remota atende ao requerimento apresentado pela senadora Eliziane e, posteriormente, complementado pelo presidente do colegiado, senador Confúcio Moura (MDB-RO). O parlamentar cita o relatório “Fronteiras 2016: questões emergentes de preocupação ambiental”, do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), que apontou o desmatamento como fator de aumento das zoonoses (doenças infecciosas transmitidas entre animais e seres humanos).

Senadora Eliziane Gama. Fonte: Jefferson Rudy/Agência Senado

A pauta completa foi transmitida também pelo Youtube e pode ser assistida no site.

Entenda 

Segundo uma pesquisa publicada na revista Science e coordenada pela Universidade de Princeton – em parceria com cientistas brasileiros, chineses e quenianos – preservar a natureza seria 500 vezes mais barato do que remediar uma pandemia.

Diminuir o desmatamento de florestas tropicais e o comércio de animais selvagens pelo mundo custariam até 31 bilhões de dólares por ano. Até julho de 2020, os gastos com a pandemia do covid-19 eram estimados em cerca de 15 trilhões de dólares).

Além do coronavírus, que tem como origem provável os morcegos na China, outros vírus, como o ebola, foram transmitidos para humanos por animais silvestres.

Com a devastação ambiental, animais que hospedam vírus perdem seu habitat e buscam estadia e alimento em zonas urbanas, facilitando a transmissão para nós, humanos, que não temos a proteção para tal vírus.

Outra forma de prevenção seria a maior fiscalização e diminuição da criação de animais para consumo, principalmente as espécies que tem mais chances de transmissão para humanos (porcos e aves) e silvestres (como os comumente consumidos na China).

O desmatamento da floresta amazônica (habitat natural de morcegos e primatas) representa grande risco para surgimento de novas doenças para seres humanos.

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo