BONITO (MS)            

Animais silvestres morrem carbonizados após quatro dias de incêndio

           

Uma sucuri de cerca de 5 metros foi achada morta em incêndio na cidade turística de Bonito, região de Mato Grosso do Sul. A queimada já dura mais de quatro dias, matando inúmeros animais e deixando um rastro de destruição na vegetação. O Corpo de Bombeiros se deslocou em direção ao Parque Nacional da Serra Nacional da Bodoquena.

Portal G1 – Militares estão há 4 dias combatendo fogo em cidade turística e encontraram vários animais mortos — Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação

“Fomos mobilizados para a cidade de Bonito perto de uma fazenda e, desde então, foram vários focos em Bonito. Isso começou na última quarta-feira (7) e, agora, estamos na parte de rescaldo. A área total do fogo está sendo calculada e estamos aguardando a imagem do satélite para falar com maior precisão. Acreditamos ser de 2,7 mil a 3 mil hectares perdidos”, a assessoria de comunicação do Corpo de Bombeiros contou  ao portal G1

Além disso, a Operação Panemorfi (que significa Bonito em grego) conta com mais de 50 bombeiros militares, que estão atuando no combate ao incêndio e também no monitoramento das chamas na região da Serra da Bodoquena.

Segundo a assessoria, estão sendo utilizados dois aviões, 11 viaturas e duas embarcações, nesta operação especial de combate a incêndio florestal iniciada pelos bombeiros. No entanto, esta já é a segunda operação do ano.

Portal G1- Militares encontraram sucuri morta neste domingo (11) — Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação

“É uma área grande e equipes foram enviadas para o que o fogo não chegue ao parque, enquanto outra permanece atuando no rescaldo. Vimos muitas cenas tristes de animais mortos. Por sorte, um cervo foi resgatado. Ele corria contra o fogo, desorientado, e nós o levamos para uma área protegida”, conta ao portal G1.

Resgate

O sargento Anderson Silvio Mendes acompanhou o resgate do animal que estava desorientado. “Eu tentei umas duas vezes, ele conseguiu se desvencilhar, mas, ele foi se encaminhando para o local que estava queimando. Na terceira tentativa, consegui resgatá-lo e levar para uma área que já estava livre da queima. É uma satisfação tremenda a gente poder salvar um ser, que ainda tinha toda a vida pela frente e também poder restaurar a natureza”, falou o sargento.

Conforme o Capitão Valdeck de Siqueira Santos, na manhã deste domingo (11), foram encontradas uma anta, um cateto e uma sucuri de cerca de 5 metros e 80 kg carbonizados.

“Estávamos fazendo a vistoria nas proximidades da fazenda São João, ainda na parte da área de Bonito, quando nos deparamos com esta sucuri que, infelizmente, não conseguiu se livrar das chamas. Lamentável”, comentou o capitão.

Portal do G1 – Momento em que o cervo é recuperado e levado para outro ambiente em MS — Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação

Investigação Policial 

Desde a última quarta-feira (7), quando foram acionados, as equipes da Polícia Militar Ambiental (PMA) de Bonito e Jardim que atuam na região, o ponto inicial do incêndio foi no banhado do rio da Prata, segundo a apuração das equipes.

Como “a seca é extremamente forte, não há como se descuidar do local” e os trabalhos continuam com “boletim de ocorrência e o acionamento da perícia técnica”, informa o comandante da PMA de Bonito, capitão Ferraz, que tinha sido informado neste domingo (11) que os focos de incêndio estavam todos controlados no banhado do Rio Prata.

Fazendeiros no combate

Os militares disseram que encontraram funcionários das fazendas da região, tentando controlar o incêndio, porém o fogo estava incontrolável.  No entanto, com a ajuda do Corpo de Bombeiros que seguem atuando, para “manter a preservação do local e identificar possíveis causas do incêndio e realizar aferições e mensurações da área atingida”.

“No primeiro dia de incêndio encontramos um filhote de cervo perdido e desorientado, logo depois avistamos a mãe com as patas parcialmente queimadas. Devolvemos o filhote à mãe e não sabemos o que aconteceu com eles. Hoje durante o monitoramento a equipe avistou essa mãe com seu filhote. Não sabemos se são os mesmos do primeiro dia, mas estamos felizes por eles estarem bem”, comentou Ferraz.

 Além disso, a PMA calcula que já foram atingidos 6 mil hectares de área, uma pequena fração do parque e ao menos três propriedades rurais foram afetadas, até o momento.

Portal G1 – Bombeiros atuam na fronteira com o apoio da Marinha — Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação

Divisa

No último domingo (11),  foram enviadas três viaturas e 13 bombeiros militares para o controle das chamas no local. Entretanto, desde sábado (10), um helicóptero da Marinha começou a fazer o lançamento de água na área queimada, mesmo com o difícil acesso  à região. 

O Corpo de Bombeiros de Mato Grosso do Sul, com o apoio da Marinha do Brasil, batizou a Operação de Hefesto, que está empenhada em combater incêndio em vegetação na região conhecida como Canal do Tamengo, em Corumbá, a 413 km de Campo Grande.

 

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo