ANIMAIS COMUNITÁRIOS            

Justiça derruba liminar que determinava expulsão de gatos de condomínio

Os gatos são cuidados por moradores do condomínio que não aceitaram a determinação de expulsão dos animais e moveram recurso na Justiça            
Foto: Reprodução

O Tribunal de Justiça do Amazonas (STJ) derrubou uma liminar que determinava a expulsão de gatos comunitários que vivem em um condomínio de luxo em Manaus. A determinação para que os animais fossem retirados da área residencial situada no bairro de Ponta Negra atendia a um pedido de uma moradora do condomínio que acionou a Justiça contra os gatos.

A solicitação da mulher chegou a ser acolhida por dois juízes, tendo sida deferida em um juizado especial e mantida em uma vara comum. Ao julgar o caso, o juiz do Juizado Especial da Fazenda Pública Estadual e Municipal, Marco Costa, determinou que os gatos fossem retirados do local em 10 dias, sob pena de multa diária de R$ 500.

Inconformados com a decisão, moradores do condomínio recorreram ao Tribunal de Justiça e conseguiram reverter o caso a favor dos gatos, que poderão permanecer no local. Preocupados com o bem-estar dos animais, esses condôminos foram alvo, inclusive, da ação judicial movida pela moradora incomodada com a presença dos gatos. Isso porque, ao mover o processo, ela solicitou que os moradores fossem proibidos de alimentar os animais – proibição que configura maus-tratos – e que fossem punidos caso desobedecessem.

Ao tomar conhecimento do caso, a Comissão Especial de Proteção aos Animais (CEPA) da Ordem dos Advogados do Brasil – Amazonas (OAB/AM) publicou uma nota de repúdio por meio da qual se posicionou contra quaisquer atos que retirem a autonomia dos moradores em relação aos gatos cuidados por eles.

Após os moradores impetrarem um mandado de segurança no Tribunal de Justiça do Amazonas, a liminar solicitada pela condômina foi derrubada. Em sua decisão, proferida na segunda-feira (5), o desembargador plantonista Yedo Simões asseverou que retirar os gatos do local poderia violar a Declaração Universal dos Direitos dos Animais, da Organização das Nações Unidas (ONU). O magistrado pontuou ainda que a expulsão dos animais iria contrariar a jurisprudência do STJ, já que a Corte conferiu dignidade e direitos aos animais.

Foto: Reprodução

Autor do mandado de segurança, o condômino Victor Angelim explicou ao G1 que os gatos são bem cuidados, estão vacinados e não fazem mal algum aos moradores do residencial.

“É comum ter animais no local, já que é um condomínio na margem de um igarapé. Conviver com animais para quem mora na Ponta Negra deveria ser algo comum. Lá a gente já tem uns 30, 40 gatinhos. Todos tem carteira de vacinação, têm nomes, são conhecidos pelos moradores, e nós alimentamos, medicamos conforme necessidade. Um morador, inclusive, guarda todas as carteira de vacinação deles”, afirmou.

Apesar de todo o cuidado dispensado aos animais, Victor relata casos de maus-tratos ocorridos dentro do condomínio por parte de moradores incomodados com a presença dos gatos.

“Alguns moradores já jogaram água quente, já vimos jogando também creolina, querendo assustar. E o condomínio não tem nenhum histórico dos animais darem dor de cabeça, arranhar carro, entrar em casa”, concluiu.

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo