POLUIÇÃO

Nova Zelândia banirá a maioria dos plásticos descartáveis até 2025

Proibição de plásticos, incluindo cotonetes, embalagens, talheres, canudos e rótulos de frutas, entra em vigor no próximo ano.            
Foto: Reprodução | Pixabay

Os neozelandeses se despedirão de seus plásticos – bolsas, fones de ouvido, colheres e canudos – enquanto o governo tenta combinar a realidade do país com sua reputação de “verde limpo”.

Atualmente, um dos 10 maiores produtores per capita de resíduos de aterro sanitário do mundo, a Nova Zelândia, anunciou que banirá uma faixa de plásticos descartáveis, incluindo cotonetes, sacolas, talheres, pratos e tigelas, canudos e rótulos de frutas.

“Todos os dias, os neozelandeses jogam fora cerca de 159g de lixo plástico por pessoa, tornando-nos alguns dos maiores geradores de lixo do mundo”, disse o ministro do meio ambiente, David Parker.
As proibições, que serão implementadas gradualmente entre 2022 e 2025, “garantiriam que viveríamos de acordo com nossa reputação limpa e verde”, disse ele. Autoridades estimam que a nova política removerá mais de 2 bilhões de itens de plástico descartáveis dos aterros sanitários e do meio ambiente do país a cada ano.

A Nova Zelândia já proibiu a maioria das sacolas plásticas descartáveis em 2019, mas as mudanças incluirão embalagens para produtos hortifrutigranjeiros, bem como uma série de outros itens. Essas etapas seguem proibições semelhantes no exterior: proibir sacolas plásticas agora é comum em todo o mundo, e o Reino Unido introduziu uma proibição de canudos de plástico, agitadores e cotonetes em 2020. A UE votou por uma proibição semelhante à que foi introduzida este ano. Em alguns países, a Covid-19 paralisou o progresso com os plásticos – vários estados dos EUA revogaram suas proibições às sacolas plásticas e suspenderam a nova legislação para limitar os produtos de plástico quando a pandemia atingiu seu auge. Grupos ambientalistas também relataram enormes quantidades de resíduos Covid” – incluindo luvas de plástico, frascos de desinfetante para as mãos e máscaras cirúrgicas – estão entupindo os oceanos.

As novas proibições foram um passo importante, mas ainda perderam muitos dos maiores produtores de resíduos plásticos na Nova Zelândia, disse Assoc Prof Terri-Ann Berry, diretor do Centro de Pesquisa de Soluções Ambientais da Unitec. Ela disse que, embora chamar a atenção do público para o lixo doméstico seja vital, “é muito fácil esquecer que alguns de nossos setores mais comerciais também são grandes usuários de plástico”. A construção e a demolição, por exemplo, foram responsáveis por até 50% dos resíduos de aterro sanitário na Nova Zelândia.

O governo da Nova Zelândia também tem xícaras de café e lenços umedecidos à vista, mas Parker disse que é preciso trabalhar para criar alternativas e que o governo anunciará os próximos passos para esses itens no próximo ano. O governo também anunciou um fundo para que as empresas pesquisem alternativas aos plásticos descartáveis.

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo