PRESERVAÇÃO            

Quênia começa o primeiro censo nacional de vida selvagem

A conta visa fornecer informações cruciais para conservação dos animais incluindo pangolins, tartarugas e antílopes            
Foto: Pixabay

Aviões, helicópteros, barcos e 4x4s estão sendo posicionados, centenas de câmeras escondidas e rádios-colares, e uma variedade de esterco estudado em todo o Quênia, enquanto o país embarca no primeiro censo nacional de vida selvagem.

O censo, cobrindo os 58 parques nacionais, reservas privadas e unidades de conservação do país, deve terminar até o final de julho. Isso vai custar 250m xelins quenianos (aprox. R$11m) e inclui animais terrestres e marinhos, pássaros como Struthio e abetarda-gigante, e primatas em risco de extinção. Os resultados estão previstos para agosto.

O objetivo da contagem é estabelecer uma linha de base do status da vida vida selvagem e a distribuição para informar a diretoria de políticas. O secretário de gabinete de turismo e vida selvagem do país, Najib Balala, afirmou que o censo também recomendaria estratégias modernas para conservação efetiva de vida selvagem e a distribuição de espécies raras e ameaçadas como os pangolins e as tartarugas-verde e de pente, cuja população está em declínio por conta da caça.

Enquanto o país conduziu contas objetivas para animais em ameaça de extinção como os elefantes e rinocerontes, tem havido pouca monitoração de outras espécies raras e ameaçadas “cujas populações decaíram significativamente em número e gama nas últimas três décadas”, diz o governo. Estes incluem espécies raras de antílopes, como a zibelina, a sitatunga, o hirola e o bongo montanhoso. Os dois últimos são listados pela União Internacional para Conservação da Natureza como “criticamente em perigo”.

Foto: Pixabay

De acordo com a União, as principais áreas de vida selvagem do Quênia passaram por desafios em termos de posse e uso da terra, seca e a crise climática, fatores “prováveis para impactar negativamente a população selvagem de algumas espécies.”

“Portanto, é importante realizar essa pesquisa nacional para estabelecer a linha base da população selvagem e a distribuição para uso futuro, para compreender as tendências da população de animais selvagens e as mudanças na sua distribuição. Nós também precisamos saber se alguma área tem as capacidades necessárias para animais em particular, e os efeitos que a crise climática e o crescimento da população humana tem na conservação da vida selvagem,” disse Balala.

Balala afirma que a contagem também ajudaria a mitigar os casos crescentes de conflitos entre humanos e animais selvagens e reduzir os custos de compensação, agora em torno de 14 bn xelins quenianos.

Técnicas terrestres e aéreas estão sendo usadas para contar grandes mamíferos na savana aberta, áreas áridas e semi-áridas, enquanto câmeras escondidas e o estudo de estercos são usados em ecossistemas florestais.

Dr Patrick Omondi, diretor do novo Wildlife Research and Training Institute, disse que o governo está usando “metodologias de revisão por pares internacionalmente reconhecidas” para chegar a uma informação precisa.

“A aplicação de equipamentos e pessoas depende do tamanho de uma área de conservação,” ele disse. “Por exemplo, nós utilizamos utilizamos um time de 50 e 13 aeronaves, tanto de asa fixa quanto helicópteros, no ecossistema Tsavo, o maior do país. Outros métodos incluem a utilização de rádios-colares, especialmente para animais migratórios, para prevenir contagens erradas. Gravadores aéreos de voz também estão sendo usados para analisar a presença de animais específicos em diversas áreas.

“Em áreas florestadas, nós colocamos armadilhas de câmeras para contar animais noturnos como os pangolins. Essa vai ser a primeira vez que um país africano está contando o número de pangolins, os quais são atualmente os animais mais traficados do mundo. Levantamento aéreo também será usado para a grande vida marinha, incluindo baleias, tubarões, dugongos e tartarugas marinhas.”

Dra Paula Kahumbu, diretora executiva da Wildlife Direct, afirmou que se o censo for bem conduzido, revelaria as emergências ecológicas enfrentadas pelas áreas protegidas que afetam não só os animais mas também as vidas e os meios de subsistência de milhões de quenianos.

Mas ela acrescentou: “A conta por si só não é suficiente. O censo deve depor no status da terra e habitats, as quais são cruciais para que haja vida selvagem. A integridade das áreas protegidas do Quênia também estão sendo impactadas por construções como estradas e ferrovias, hotéis, campos militares, as quais afetam o movimento dos animais.

“Além disso, a qualidade do habitat, como os frequentes incêndios florestais, pastagem excessiva de gado, destruição da floresta, extração de areia e práticas destrutivas de pesca reduzem a biodiversidade, além de deixarem o solo mais propício às espécies invasivas.”

Kahumbu disse ainda que o número de animais que já foram considerados “comuns”, como gnus, caiu em até 90% nos ecossistemas de Nairóbi, Narok e Amboseli, principalmente por conta da perda de habitat.

O plano de manejo de 2020-30 para o parque nacional de Nairobi mostra o colapso da migração de gnus, que enumerava 30.000 animais na década de 1960 “com apenas 200 passando pelo parque”. O relatório também detalha um declínio de 70% das populações dos javalis, inhacosos, das vacas-do-mato e gazellas.

De acordo com o relatório do governo, corredores que ligavam o parque às planícies maiores foram obstruídos pelo desenvolvimento, expansão urbana e subdivisão, ou bloqueadas por cercas.

“Nossos parques, reservas, florestas e unidades de conservação são o sistema de suporte de vida do Quênia. Eles fornecem água, geram energia, limpam o ar e fornecem resiliência à crise climática e condições extremas de clima. Já que eles não podem existir como ilhas, é necessária legislação urgente para proteger as zonas-tampão, os corredores de vida selvagem e as áreas de dispersão,” disse Kahumbu.

Foto: Pixabay

Jagi Gakunju, conservacionista e operador turístico em Masai Mara, afirmou que o exercício teria mais sucesso se o governo tivesse aproveitado as informações coletadas pelos numerosos grupos conservacionistas do Quênia.

A maior parte de unidades de conservação privadas e de base comunitária, ele disse, haviam conduzido seus próprios censos ao longo dos anos, tornando suas contribuições vitais.

“Natura Kenya, por exemplo, é o parceiro local do BirdLife International e tem informações de valor inestimável sobre pássaros, assim como outros grupos conservacionistas cujas estatísticas alimentam dados de base global. Seria bom revisar essas informações e determinar como a forma atual de contagem da vida selvagem difere do que foi feito no passado. O exercício atual deve ser uma junção das iniciativas passadas,” disse Gakunju.

Cynthia Moss, conservacionista estadunidense cuja organização Amboseli Elephant Research Project vem conduzindo a maior pesquisa de elefantes no mundo, afirmou que sua organização estava disposta a compartilhar informações coletadas nos últimos 50 anos.

“Eu acredito que a iniciativa é boa para conservação,” ela disse ao The Guardian pelo telefone. “Nós acumulamos muita informação nos últimos anos e estamos dispostos a compartilhá-las, se as autoridades pedirem. Em qualquer caso, o governo tem mais recursos do que grupos privados de conservação.”

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo