MAUS-TRATOS            

Polícia resgata mais de 180 animais que viviam presos em gaiolas e armários

No imóvel, foram encontrados um porquinho da índia, quatro cachorros, cinco periquitos, uma calopsita, dois patos, 143 galos e galinhas, 30 pintinhos, dois pombos e um gato            
Foto: Decat/Divulgação

A Polícia Civil resgatou mais de 180 animais submetidos a maus-tratos em Campo Grande, no estado de Mato Grosso do Sul. Mantidos em um imóvel na Vila Jacy, os animais viviam presos em um galpão, dentro de gaiolas e de armários.

O caso está sendo investigado pela Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Ambientais e de Atendimento ao Turista (Decat), que contou com o apoio do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) durante a operação de resgate. De acordo com o delegado titular da Decat, Maércio Barbosa, os animais eram tutelados por duas irmãs de 54 e 58 anos.

“Foi registrado como crime de maus-tratos por manter os animais enjaulados dentro da casa e também crime de poluição por manterem uma criação de galinhas no ambiente urbano e também um acúmulo de lixo, que são propensos a causar várias doenças para a população e também para os animais da região”, explicou o delegado ao G1.

Foto: Decat/Divulgação

No imóvel, foram encontrados um porquinho da índia, quatro cachorros, cinco periquitos, uma calopsita, dois patos, 143 galos e galinhas, 30 pintinhos, dois pombos e um gato. Resgatados na última quinta-feira (23), os animais viviam em ambiente insalubre, em meio a grande quantidade de sujeira e lixo. Foram identificados ainda criadouros do mosquito da dengue dentro da residência.

Uma das tutoras teria afirmado aos policiais que as galinhas seriam comercializadas e que os outros animais eram criados da maneira como ela queria. Segundo informações do boletim de ocorrência, a mulher ficou agressiva durante a operação e teve que ser algemada.

Lei Sansão

Sancionada no final de 2020, uma nova lei de proteção animal aumentou a pena para crimes cometidos contra cachorros e gatos no Brasil. Antes, esses crimes eram punidos com, no máximo, um ano de detenção, pena que era convertida em alternativas como a prestação de serviços à comunidade.

A legislação recebeu o nome de “Lei Sansão” em homenagem ao pit bull Sansão, que foi brutalmente torturado em Minas Gerais, tendo as duas patas traseiras decepadas. Paraplégico, ele não apenas se recuperou e provou o quão forte é capaz de ser, como serviu de incentivo para a aprovação da lei.

Com o aumento da pena, os criminosos que submeterem cachorros e gatos a maus-tratos poderão ser presos por um período de dois a cinco anos. Eles também poderão ser punidos com multa e com a proibição de tutelar outros animais.

A medida, no entanto, não protege os animais de outras espécies, excluindo do amparo jurídico a fauna silvestre e os animais que são explorados pela sociedade, como galos, porcos, bois e galinhas. Frequentemente explorados para reprodução e venda, esses animais são alvo de uma série de maus-tratos e, no caso daqueles que são alvo da agropecuária, a matança é autorizada, o que impede que eles tenham o direito à vida e à integridade física respeitado.

No caso específico do crime cometido contra mais de 180 animais em Campo Grande, caso as tutoras sejam indiciadas por maus-tratos e julgadas, os crimes devem ser punidos de acordo com a espécie dos animais. Sendo assim, os maus-tratos contra o gato e os cães encontrados no imóvel poderão ser penalizados com até cinco anos de prisão, além de multa e da proibição de tutelar animais. Já os crimes contra os outros animais encontrados na casa poderão ser punidos com até um ano de detenção, além de multa, e a pena de reclusão poderá ser substituída por uma alternativa, como a prestação de serviços à comunidade. Essa substituição ocorre porque esses crimes são classificados pelo ordenamento jurídico como de menor potencial ofensivo.

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo