AMEAÇADOS

Ursos-de-óculos vivem secretamente em florestas da Bolívia

           
Foto: Reprodução | Wikipedia

Valeu a pena a viagem. Depois de transpirar pelas encostas das montanhas bolivianas, entrar na floresta era como entrar em um mundo diferente. Os pinheiros retorcidos de Monte Pino de Monte traziam na nossa cara líquens fantasmagóricos cinza-esverdeados. Samambaias e, para minha surpresa, o musgo brotou das fendas da casca e dos pequenos recantos onde os galhos encontravam os troncos. A temperatura parecia cair pelo menos 10 graus.

Mas era mais do que apenas a pausa do calor; meus olhos estavam avidamente bêbados à vista de tanto verde e tantas texturas complexas, após quilômetros olhando para solos secos e arbustos esparsos e espinhosos. Este lugar, no alto dos Andes bolivianos, parecia conter antigos segredos – e meu companheiro de viagem, Mauricio Peñaranda del Carpio, biólogo da Universidade Francisco Xavier de Chuquisaca e da Fundação Cohabitar, confirmou.

Estávamos a caminho de uma dessas maravilhas: o “Banho dos Condores”, um penhasco que prendia pequenas piscinas de água onde os condores andinos (Vultur gryphus) vinham para banhar-se. Vimos sete condores naquele dia, voando como portas voadoras enquanto estendiam suas imensas asas. Segundo Peñaranda, esse foi um dia ruim: num dia bom, você podia ver 70. Mas Peñaranda, que me havia convidado para ir ao El Palmar, não estava aqui pelos condores.

Ele estava aqui pelos ursos.

Tesouro escondido

As florestas mais ameaçadas do mundo não são as que fazem as manchetes. São as que foram derrubadas há tanto tempo que quase ninguém sabe que ainda existem alguns remendos – ou os tesouros que elas contêm.

Apesar de estar a apenas algumas horas de carro de Sucre, a capital judicial da Bolívia, El Palmar Área Natural de Manejo Integrado é visitada por uma média de apenas um turista por dia – e isso foi antes da Covid-19. Poucas pessoas sabem que esta área protegida contém alguns dos remanescentes mais bem preservados de uma floresta que outrora cobria grande parte dos vales interandinos. Mas nestas florestas esquecidas, Peñaranda descobriu recentemente algo maravilhoso: uma pequena população de ursos de óculos andinos (Tremarctos ornatus).

O que é notável neste registro dos ursos Palmar”, disse ele ao Mongabay, “é que ele nos levam a pensar que se trata de uma população remanescente do que antes era uma distribuição mais ampla do animal neste tipo de ecossistema”. Ao mesmo tempo, nos mostra a fragilidade desta espécie [à destruição do habitat]”.

As florestas secas interandinas outrora cobriam faixas das paisagens em elevações de 500-3.300 metros na Bolívia e, em menor grau, no Peru, que muitas vezes têm um clima relativamente seco devido ao efeito “sombra da chuva” dos picos andinos mais altos. O microclima aqui pode variar drasticamente de vale em vale, e com ele as espécies de árvores; mas essas diversas florestas teriam coberto cerca de 4% do que hoje é a Bolívia.

Na trilha dos jucumaris

Peñaranda não se propôs a procurar ursos. Ele foi primeiro para El Palmar, uma área de manejo integrado onde as pessoas vivem e cultivam dentro das fronteiras do parque, em busca de puma (Puma concolor). Procurando maneiras de ajudar as pessoas a conviver com os grandes felinos, ele entrevistou os locais. Como uma reflexão posterior, ele perguntou a eles se já tinham tido problemas com ursos.

O urso andino ou de óculos, chamado jucumari na área de língua quíchua de El Palmar, era um rumor de que vivia na área protegida – mas esses rumores não tinham chegado aos ouvidos de muitos cientistas. Nem mesmo um mapa do alcance histórico dos ursos os colocou no parque. O urso de óculos é a única espécie de urso vivo da América do Sul, e está listado pela Lista Vermelha da UICN (IUCN) como vulnerável e em declínio.

Mas quando vários entrevistados, juntamente com alguns dos experientes guardas do parque, disseram a Peñaranda que tinham visto um urso, ele estava interessado em investigar. Em um golpe de sorte, uma de suas armadilhas fotográficas montadas para as suçuaranas pegou um urso.

“A palavra que expressaria o que eu sentia … seria alegria”. Durante muito tempo as pessoas nos falaram do urso no local, mas ver a foto foi diferente”, disse Peñaranda. “Estávamos todos muito felizes”.

Notícias ainda melhores: o urso era uma fêmea, e ela tinha uma cria ao seu lado.

Sobreviventes solitários

O urso de óculos é o único sobrevivente dos ursos de face curta, cujos outros membros foram extintos há cerca de 10.000-12.000 anos, possivelmente devido a alguma combinação de um clima de mudança e caça por humanos recém-chegados. Com a extinção de seus primos maiores, os ursos de óculos se tornaram os maiores carnívoros sobreviventes na América do Sul. No entanto, a carne compreende apenas cerca de 5% de sua dieta.

Encontrados na espinha dorsal dos Andes da Venezuela à Bolívia, os ursos de óculos são ameaçados por todos os suspeitos habituais: perda e fragmentação do habitat, expansão da infraestrutura, mudança climática e caça furtiva. Eles podem ser difíceis de encontrar, mas isso não os impediu de entrar em conflito com as pessoas.

Como o desmatamento e a mudança climática dificultam sua vida, os ursos procuram cada vez mais alimentos ao redor dos assentamentos humanos, onde devoram campos de milho e às vezes matam o gado. Em lugares como El Palmar, onde os agricultores com poucos recursos também sentem os impactos da mudança climática, mesmo uma pequena perda pode ser devastadora. Embora não esteja claro se os ursos realmente matam tantas ovelhas e vacas quanto as pessoas pensam que matam, houve vários casos bem documentados de pessoas matando ursos.

Nesta viagem, eu não tive tempo de procurar os ursos Palmar – levaria quase uma semana para caminhar até as melhores manchas de ursos e voltar. Mas ainda era emocionante caminhar nas florestas, ver a roda de condores por cima, e saber que os ursos estavam por aí.

A descoberta de Peñaranda de uma população secreta de ursos – separada de sua zona oficial de distribuição por 100 quilômetros de mato inóspito e terras agrícolas – levanta imediatamente novas questões. Quantos ursos vivem aqui? Será que eles se misturam com ursos em outras áreas? E a população, vivendo nos fragmentos de floresta espalhados conservados no parque de 500 quilômetros quadrados, poderia persistir a longo prazo?

Jucumari e janch’icoco

El Palmar não foi criado para proteger os grandes carnívoros. A pista está no nome: é protegida para palmeiras, especificamente a palma janch’icoco (Parajubaea torallyi), ameaçada de extinção, encontrada apenas na Bolívia.

As palmeiras Janch’icoco são uma estranheza. Crescem entre 2.400 e 3.400 metros. No entanto, mesmo na Bolívia tropical, estas altitudes são muito frias no inverno para a maioria das palmeiras. Ninguém sabe de onde elas vêm, ou como chegaram a El Palmar: as teorias incluem que elas foram plantadas pelo povo paleo-ameríndio, ou transportadas por ursos.

Se as pessoas ou os ursos trouxeram as palmeiras para as encostas choradas pelo vento de El Palmar, ambos desfrutam delas agora. Peñaranda disse que as pessoas podem usar as palmeiras de forma sustentável, e isso estava muito em evidência.

Abalando na sombra do escritório do parque após uma caminhada suada, fomos imediatamente abordados por uma mulher empreendedora com um grande balde de orquata, uma bebida feita de nozes janch’icoco, água e canela. Uma vez suficientemente refrescada, ela nos vendeu o resto de suas mercadorias: lindas cestas e potes bem tecidos com fibras de palmeira. Até mesmo os telhados de muitas casas eram de palmeiras de palma.

Além de serem uma bênção para os habitantes locais, as palmeiras também podem ser a razão por trás da sobrevivência dos ursos nestas florestas relativamente pequenas.

Uma das alunas de Peñaranda, Daniela Díaz, estudou recentemente excremento de urso em El Palmar. Ela descobriu que 87% de sua dieta foi feita de janch’icoco rico em proteínas, gordura e nutrientes, com o resto composto de bromélias e outras plantas. Peñaranda disse que talvez ter uma fonte de alimento tão rica e abundante tenha ajudado os ursos a sobreviverem aqui, mesmo quando eles desapareceram em tantos outros lugares.

Mas não restam muitos.

“Os ursos andinos têm marcas ao redor dos olhos, nariz e pescoço que são únicas para cada indivíduo”, disse Peñaranda. “Através de fotos e vídeos, identificamos pelo menos 10 indivíduos diferentes, embora suponhamos que haja mais”.

Peñaranda estimou que a população total de ursos em El Palmar é inferior a 20. Ele disse que o urso de óculos é distribuído principalmente em florestas úmidas, e é raro encontrá-lo em florestas secas, como as de El Palmar.

“Eu acho que (os ursos de óculos) costumavam ter uma distribuição mais ampla que incluía uma grande parte dos vales secos interandinos. Mas acho que nunca foi o habitat preferido para esta espécie”, disse ele. “É provável que a densidade do urso andino nos vales secos nunca tenha sido muito alta”.

Aprender que os ursos vivem em El Palmar poderia ajudar os cientistas a compreender melhor os ecossistemas e a vida selvagem que outrora cobriam áreas muito maiores dos Andes da meia-elevação.

Florestas esquecidas

As pessoas vivem nos Andes há pelo menos 9.000 anos. Sobreviver nestas imensas paisagens montanhosas, com suas condições climáticas extremas e altitudes elevadas, provavelmente nunca foi fácil. As pessoas cortam árvores para lenha, pastam manadas de gado e limpam terras para cultivar. Durante milênios, as florestas e os ursos deram lugar a matagais, cabras e campos sedentos, com o resultado de que as florestas secas interandinas estão agora criticamente ameaçadas na Bolívia.

As florestas parecem ser vítimas da síndrome da síndrome de deslocamento da linha de base, tendo sido desmatadas ou degradadas há tanto tempo que a maioria das pessoas não sabem como era a paisagem antes. As florestas secas interandinas estão mais ameaçadas do que a floresta tropical; apenas algumas áreas ainda são consideradas em “boas” condições. Em muitos lugares é mais provável encontrar árvores exóticas de crescimento rápido, como eucaliptos e pinheiros, plantados para estabilizar as encostas em erosão, do que árvores nativas.

Um relatório de 2017 do Centro Internacional de Pesquisa Florestal (CIFOR) descobriu que enquanto a Colômbia havia iniciado ou planejado pelo menos 100 projetos para restaurar suas florestas interandinas, a Bolívia, um país muito mais pobre, tinha apenas alguns.

O CIFOR aponta que a restauração dessas florestas não é importante apenas para a vida selvagem: poderia ajudar a recuperar a fertilidade do solo, controlar a erosão, fornecer madeira, frutas e nozes às pessoas, bem como regular e limpar a água. As raízes das árvores ajudam a absorver a água no solo e a escoar para os riachos lentamente, em vez de correr para fora da superfície e causar uma inundação repentina seguida de seca.

Você não precisa ser um cientista para perceber os benefícios das florestas nessas paisagens. Um homem local, que pediu para permanecer anônimo, me disse o quanto estava ansioso para ver mais florestas nativas em El Palmar. Ao caminharmos na floresta, ele me mostrou um cano carregando água para um tanque no vale abaixo.

“Há sempre água limpa aqui, debaixo das árvores”, disse ele, “mas lá fora chove e a água desaparece rapidamente”.

Ele disse que tanto o desmatamento quanto a mudança climática estão tornando El Palmar mais seco, e tornando ainda mais difícil para as pessoas cultivarem o que precisam.

“O desmatamento causa a perda de solo e a seca ano após ano. O plantio é mínimo, apenas pinheiros exóticos à beira da estrada, e não há reflorestamento com plantas nativas”, disse ele.

Esperança para os ursos

Quando visitei El Palmar, Peñaranda estava preocupado com o pequeno tamanho da população de ursos.

“Não sei por quanto tempo eles podem persistir sem se misturarem com outras populações”, disse ele enquanto passeávamos. “Eles são quase certamente consanguíneos, e isso não é bom”.

Mas ele me contatou recentemente com boas notícias.

“Onde vimos condores – um lugar onde as pessoas nunca tinham visto ursos – um indivíduo (urso) apareceu uma semana após nossa visita”, ele me disse, “e ainda hoje soube de um registro de ursos andinos a menos de 30 quilômetros de distância”. Se eu puder confirmar isso, é um bom lugar para começar a conectar pequenas populações de ursos andinos nas florestas secas”.

O caminho à frente está longe de ser fácil. Peñaranda disse que quer colocar coleiras de rádio nos ursos de óculos para entender seus movimentos, encontrar maneiras de reduzir os conflitos entre ursos e pessoas, e conseguir fundos e permissão para plantar florestas conectando as populações isoladas. Há muito a ser feito. Mas as últimas notícias dão esperança de que os ursos em El Palmar talvez não sejam tão solitários quanto parecem.

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo