RELATÓRIO

Bancos chineses despejam bilhões em empresas ligadas ao desmatamento

           

Nova análise da ONG internacional, Global Witness, revelou que bancos e investidores chineses forneceram mais de US$ 22,5 bilhões para empresas ligadas ao desmatamento em todo o mundo durante o período de janeiro de 2013 a abril de 2020.

A Global Witness descobriu que cinco dos maiores bancos comerciais da China responderam por 45% de todos os fundos fornecidos por investidores chineses durante esse período.

Com a lei chinesa que regula os bancos comerciais prevista para ser revista ainda este ano, a vigilância ambiental está pedindo aos legisladores que proíbam os bancos chineses de financiar negócios ligados a danos ambientais e sociais.

Foto: Ilustração | Pixabay

De acordo com uma nova análise publicada pela ONG de vigilância ambiental Global Witness bancos e investidores chineses canalizaram bilhões de dólares para empresas agrícolas globais responsáveis por impulsionar o desmatamento nos últimos sete anos.

O relatório divulgado em 7 de junho, revelou que entre janeiro de 2013 e abril de 2020 investidores chineses investiram mais de US$ 22,5 milhões em grandes companhias ligadas ao desmatamento que produzem e comercializam commodities, como óleo de palma, soja e carne. Isso torna a China o sexto maior financiador do desmatamento global no período, atrás apenas dos principais produtores de commodities: Brasil, Malásia, EUA e Indonésia, e o não produtor Japão.

A análise dos pesquisadores, baseada em dados públicos da coalizão global de organizações não governamentais, Forests & Finance, também mostrou que cinco dos maiores bancos comerciais chineses, incluindo o Banco Industrial e Comercial da China e o Banco da China, foram responsáveis por 45% de todos os fundos fornecidos a esses setores durante esse período.

Com a lei chinesa que regulamenta os bancos comerciais passando por revisões este ano, a Global Witness e outros ativistas estão pedindo que os dirigentes políticos exijam explicitamente que os bancos assegurem que não estão financiando empresas ligadas a danos ambientais e sociais, seja localmente ou em qualquer outro lugar.

No ano passado, o presidente chinês Xi Jinping comprometeu-se a levar as emissões de gases de efeito estufa do país a um pico antes de 2030 e alcançar a neutralidade de carbono até 2060. Enquanto o setor financeiro verde do país tem crescido, com a China ultrapassando os EUA para vender US $ 15,7 bilhões de títulos verdes no primeiro trimestre deste ano, seus bancos comerciais continuam a ser grandes financiadores de empresas ligadas ao desmatamento no exterior.

De 2016 a 2020, 29% dos fundos chineses destinados a empresas de risco florestal foram para aquelas que produzem e comercializam óleo de palma, soja e carne bovina, revelou um relatório da Forests & Finance. Essas três commodities agrícolas foram as principais responsáveis pelo desmatamento ocorrido entre 2001 e 2015 em países como Indonésia, Malásia, Brasil e Argentina, de acordo com o World Resources Institute.

O relatório da Global Witness destacou que cinco das empresas que receberam mais financiamento dos bancos chineses para suas operações de soja e carne bovina no Brasil – ADM, COFCO International, Cargill, Bunge e Louis Dreyfus Company – estavam expostas ao desmatamento. Combinadas, as cinco empresas foram vinculadas a 161.018 hectares (398.000 acres) de desmatamento de março de 2019 a março de 2021 – uma área com mais do dobro do tamanho de Singapura – com base em dados da Mighty Earth. Os últimos quatro têm contestado o seu envolvimento em muitos dos incidentes ligados a eles pela organização da campanha.

Os bancos do país asiático também investiram US$ 3,2 bilhões em 28 grupos de óleo de palma durante o período, incluindo COFCO, ADM e Bunge, segundo o relatório. Nove das empresas estavam intimamente ligadas aos incêndios florestais indonésios de 2019 e à neblina transfronteiriça que se seguiu, com alguns dos incêndios começando a limpar terras para plantações, alegou.

Os pesquisadores descobriram que dentre as 28 empresas, a COFCO recebeu a maior parte do financiamento, com US$ 2,1 bilhões destinados para suas operações de óleo de palma, destacou o relatório. Embora a empresa opere principalmente como comerciante e refinaria e não produza o seu próprio óleo de palma, mais de 70 dos seus fornecedores foram associados a possíveis riscos e violações ambientais ou sociais, apesar do código de conduta do fornecedor que proíbe o desflorestamento. A COFCO desafiou a ligação entre o valor de $2.1 bilhões e o financiamento do óleo de palma dos bancos chineses. “Nós não podemos conectar tal quantidade com os bancos chineses ou com nossas operações de óleo de palma”, escreveu a empresa em um e-mail.

“As empresas que os principais bancos chineses optaram por financiar sugerem que os bancos fizeram pouca ou nenhuma diligência para se proteger contra sua exposição a danos ambientais e sociais”, disse Beibei Yin, ativista florestal sênior da Global Witness, em nota à imprensa.

Uma vez que os principais bancos comerciais da China estão entre os maiores do mundo em ativos totais, suas decisões de investimento têm ramificações significativas tanto nos compromissos individuais de cada país quanto nos compromissos internacionais de mudança climática, onde o desmatamento é uma questão fundamental.

“Se a China impedisse seus bancos de financiar a destruição das florestas, demonstraria liderança ambiental global e ajudaria investimentos chineses à prova de futuro”, disse Yin. “A proposta de revisão da lei bancária chinesa este ano oferece uma oportunidade crucial para garantir que o setor bancário esteja alinhado com as ambições verdes do país.”

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo