CRUELDADE

Mulher é presa por amarrar caudas de cães para causar necrose

           
Foto: Ilustração | Pixabay

Uma mulher foi presa em flagrante em Aracaju, Sergipe, após uma denúncia anônima através do WhatsApp, por maus-tratos contra sete filhotes da raça rottweiler. Os filhotes encontravam-se com a cauda amarrada por sacolas de plástico, o que viria a causar necrose, resultando em uma cirurgia para removê-los. 

Segundo criadores de cães, a prática de remover o rabo de cachorros dessa raça é comum, pois “aumenta” o valor dos cachorros.

 A delegada da Delegacia de Proteção Animal e ao Meio Ambiente, Georlize Teles, afirmou que a própria mulher postou fotos e vídeos do abuso em suas redes sociais, relata o F5 News.

“A autora publicou no perfil do Instagram dela imagens onde mostram a cadela e os filhotes, sendo que os filhotes estavam com um elástico amarrado ao rabo. E dizia que a prática era para necrosar o rabo, para que eles perdessem a cauda, pois valorizaria para uma futura venda […] Infelizmente, é uma conduta, uma prática, que há algum tempo era aceita pela sociedade. Mas, hoje, não cabe mais esse tipo de fato, pois causa dano ao animal. Em conversa com veterinário, ele nos disse que pode levar à morte do animal. Essa conduta configura maus-tratos. Está tipificado no código ambiental”.

A nova lei que combate o abuso animal, oficializada em 2020, prevê um mínimo de 2 anos de prisão, assim como multa e proibição de tutela de qualquer animal para infratores e outras ações legais.

A mulher foi levada para a delegacia, onde foi autuada em flagrante e será mantida à disposição da lei.

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo