ESTUDO

Antidepressivos descartados irregularmente causam danos a animais marinhos

           
Foto: Ilustração | Pixabay

Drogas antidepressivas que são descartadas irregularmente e chegam ao oceano podem alterar o comportamento dos lagosta e outras espécies, tornando-as mais ousados ​​e extrovertidos e, portanto, mais vulneráveis ​​a predadores. A informação é parte de um novo estudo publicado na revista Ecosphere.

Baixos níveis de antidepressivos – excretados por humanos ou descartados incorretamente – são encontrados em muitos corpos d’água. Pesquisadores da Universidade da Flórida avaliaram o impacto desses medicamentos sobre as lagostas e lagostins, que são um componente fundamental de muitas cadeias alimentares aquáticas – já que comem de quase tudo, desde plantas, insetos, folhas de folhas e pequenos peixes (até canibalizando uns aos outros).

Quando expostos a baixos níveis de antidepressivos, os animais eram mais extrovertidos – emergindo de um esconderijo relativamente mais rápido e passavam mais tempo forrageando, comportamentos que os tornam mais suscetíveis a predadores.

Os pesquisadores há muito avaliam o impacto dos produtos farmacêuticos e de cuidados pessoais encontrados no meio ambiente. Frequentemente, esses produtos químicos não são considerados prejudiciais, porque são encontrados em concentrações baixas o suficiente para não matar, mas causam alterações no comportamento, instinto e até mesmo olfato.

Alex Ford, professor de biologia da Universidade de Portsmouth, que não esteve envolvido no estudo, disse que o estudo ecoou pesquisas anteriores e que tais mudanças no comportamento “normal” do lagostim podem significar que há menos energia para outras atividades, como encontrar parceiros, evitando predadores ou simplesmente crescimento.

“Também temos que lembrar que quando as estações de tratamento de águas residuais estão funcionando corretamente, elas não podem filtrar todos esses contaminantes”, acrescentou ele, observando que nos últimos anos transbordamentos de águas pluviais estão sendo ativados, o que significa que esses contaminantes estão sendo lançados em cursos d’água sem tratamento.

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo