PARADA CARDÍACA

Morre furão recém-nascido que havia sido resgatado por gato em SC

O filhote estava recebendo tratamento veterinário e os veterinários nutriam a expectativa de que ele sobreviveria para retornar à natureza            
Foto: Prefeitura de Jaraguá do Sul/ Divulgação

Morreu no último final de semana o furão recém-nascido que foi acolhido pela Fundação Jaraguaense de Meio Ambiente (Fujama) após ser resgatado por um gato em Jaraguá do Sul, no estado de Santa Catarina.

O animal silvestre foi alimentado a cada duas horas com leite especial. Para oferecer os cuidados necessários ao filhote, funcionários da Fujama trabalharam em escala de plantão.

Resgatado há cerca de dez dias, o furão teve sua vida salva pelo gato, que o encontrou sozinho na rua e o pegou com a boca, sem machucá-lo, para levá-lo para casa.

Ao se deparar com a cena, o tutor do gato levou o furão até o quartel do Corpo de Bombeiros, que ficou responsável por encaminhar o animal para a sede da Fujama. Buscas pela mãe do filhote realizadas na região do rio Itapocu, onde acredita-se que o furão foi encontrado, não obtiveram bons resultados.

Aquecido e alimentado através de uma seringa, o filhote começou a reagir, o que deixou os profissionais da fundação esperançosos quanto à possibilidade do animal sobreviver. A expectativa era de que ele melhoraria a cada dia e poderia ser transferido para um centro de reabilitação em Florianópolis, onde receberia cuidados específicos antes da soltura.

Foto: Prefeitura de Jaraguá do Sul/ Divulgação

Os planos, porém, não puderam ser concretizados porque no último final de semana o animal teve uma piora em seu quadro de saúde e morreu após sofrer duas paradas cardiorrespiratórias.

Os especialistas da Fujama acreditam que a morte pode ter sido causada por três problemas gerados pela perda precoce da mãe: hipotermia, hipoglicemia e desidratação.

Nativo do Brasil, o furão é protegido por lei. A criação em cativeiro é crime e pode ser punida com até um ano de reclusão, além de multa. Ao contrário do furão exótico, que não é nativo da fauna brasileira e que segue sendo explorado para venda por ter criação doméstica autorizada pela legislação.

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo