FINAL FELIZ

Casal muda de casa para ter espaço para adotar cão traumatizado após maus-tratos

Babão, como é chamado o cachorro, sofreu tanto no passado que adquiriu traumas. Após ser acolhido em um lar temporário, passou a confiar apenas nas pessoas que viviam com ele e que agora são sua família            
Babão foi adotado após maus-tratos (Foto: Arquivo Pessoal)

Um casal procurou outra casa para morar após decidir adotar um cachorro que, inicialmente, havia ficado com a dupla em condição de lar temporário. Cibelle Balta, de 24 anos, e seu namorado levaram o cão para casa na intenção de abrigá-lo até que ele encontrasse um adotante, o que eles não imaginavam era que a casa deles seria o novo lar definitivo de Babão, como é chamado o cão.

A história do cachorro é semelhante a de Duke. Em 2019, os dois foram resgatados em Mato Grosso do Sul em uma fazenda junto de outros 38 cães, todos vítimas de maus-tratos. Ambos foram levados para lares temporários e acabaram sendo adotados pelas famílias que, num primeiro momento, cogitavam apenas abrigá-los por um tempo.

“No início era só um lar temporário, mas o Babão conquistou a todos, e entendeu que não queria mais voltar pra onde estava”, disse Cibelle ao Jornal Midiamax. “Ele ficou agressivo com outras pessoas, não deixa ninguém chegar perto se não for eu ou o pai dele, por medo de levarem ele de volta para o que vivia antes”, completou.

Duke vive feliz após adoção (Foto: Arquivo Pessoal)

Voluntária da ONG Abrigo dos Bichos há dois anos, Cibelle e seu namorado procuraram uma nova casa para morar para que pudessem acolher Babão. “Nós dois morávamos em um sobrado com outro casal de protetores e não cabia um cão no local”, explicou.

O mesmo aconteceu com a tutora de Duke. No começo, a administradora Jaqueline Amazonas, de 34 anos, planejava apenas abrigar o cachorro temporariamente, mas os planos se transformaram. “Ele era muito medroso no começo. Mas aos poucos, com carinho, fomos mostrando a ele que a gente aqui de casa não era o mesmo tipo de ‘ser humano’ que ele tinha conhecido”, disse a tutora que teve seu coração conquistado pelo cão que, com o tempo, recuperou-se dos traumas e se mostrou um animal alegre e brincalhão. “O melhor amigo da minha filha de 4 anos. Brincam de pega-pega, parecem duas crianças”, contou.

Babão antes e após o resgate (Foto: Arquivo Pessoal)

“É muito satisfatório poder proporcionar uma vida nova, com mais amor e carinho. Nunca comprei um animal. Sempre adotei. E eles parecem que nos retribuem com tamanho amor e lealdade que é até difícil explicar”, completou.

Cibelle concorda. Para ela, não há como mensurar o quão bom é adotar um animal que foi vítima de maus-tratos ou abandono. “Não existem palavras pra descrever, ter todos os dias a companhia de um ser que teve todos os motivos do mundo pra desistir, e seguiu acreditando na humanidade”, afirmou.

Maior parte dos cães encontrou novos lares

Um ano e oito meses após serem resgatados, 32 dos 40 cachorros que sofriam na fazenda às margens da MS-040 tiveram a chance de reconstruir suas vidas em novos lares. Isso porque uma decisão judicial concedeu a guarda de todos eles à ONG Abrigo dos Bichos, que finalmente pôde disponibilizá-los para adoção responsável.

Há, no entanto, outros dois processos em tramitação na Justiça por meio dos quais a entidade pede o ressarcimento do valor utilizado no tratamento ofertado aos animais. Foram mais de R$ 84 mil investidos.

Babão, Duke e outros 38 cães viviam em condições deploráveis (Foto: Arquivo Pessoal)
Duke e sua família (Foto: Arquivo Pessoal)

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo