TRATAMENTO

Cadela que teve pescoço transpassado por flecha se recupera após maus-tratos

Apesar dos ferimentos que sofreu, a cadela passa bem e segue internada em uma clínica veterinária            
Foto: Marcos de Mourão Motta/Arquivo pessoal

A cadela que teve o pescoço transpassado por uma flecha tem reagido bem ao tratamento e não corre risco de morte. O caso aconteceu em Ibirité, em Minas Gerais.

Além do ferimento no pescoço, a cadela também foi atingida por outra flecha na região perianal. Nenhuma das violências que sofreu, porém, lhe causaram sequelas graves, tendo gerado apenas ferimentos que estão sendo tratados.

Na manhã da última segunda-feira (14), a cadela foi transferida para uma clínica veterinária particular no bairro São Luiz, em Belo Horizonte, onde segue em tratamento.

Sob os cuidados do médico veterinário Marcos de Mourão Motta, a cadela tem reagido bem às medicações e não apresenta nenhuma alteração clínica grave. Na clínica, as quatro feridas causadas pelas flechas foram examinadas e estão sendo cuidadas.

“O estado clínico está bom, muito bom, apesar do trauma [as lesões]. Ela não tem anemia e não teve uma perda grande de sangue”, afirmou o profissional em entrevista ao G1.

De acordo com Motta, os ferimentos estão abertos e em processo de cicatrização, mas nenhum está inflamado ou contaminado.

Relembre o caso

No último domingo (3), após ser torturada pela segunda vez, a cadela foi socorrida por moradores do bairro Residencial Palmira e encaminhada a uma clínica veterinária no município de Contagem.

Foto: Reprodução/Redes Sociais

De acordo com o médico veterinário que atendeu a cadela, ela estava ativa e aparentemente bem quando chegou à clínica, embora estivesse ferida. “Uma flecha estava no pescoço de um lado pro outro. Aí retiraram. Depois, ela [a cadela] apareceu com outra na região perianal. Eles [os moradores] retiraram de novo. O animal chegou aqui apenas com as feridas e superbem, ativo à manipulação”, relatou ao G1 o veterinário Wander Glayson Pereira Barbosa.

Na clínica, a cadela foi medicada com remédios para combate à dor e também anti-inflamatório, além de ter sido submetida a exames. Durante a consulta, as feridas do animal foram limpas e, apesar da gravidade do crime cometido contra ela, nenhuma intervenção cirúrgica foi necessária.

Em relação aos exames, Barbosa afirmou que foram feitas duas radiografias e que ambas “não mostraram nada” de errado com a cadela.

Objetos cortantes devem ser retirados por profissionais

Conforme relatado pelo médico veterinário, as flechas que perfuraram o corpo da cadela foram retiradas pelos moradores do bairro. Esse procedimento, no entanto, não é recomendado, mesmo quando é bem intencionado.

Apenas um veterinário pode fazer a retirada de objetos cortantes em caso de perfuração de animais vítimas de maus-tratos ou acidentes. Isso porque essa retirada, quando feita de maneira amadora e até mesmo equivocada, pode aumentar ou causar lesões internas.

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo