GANÂNCIA

Construção de aeroporto ameaça reserva natural em Barcelona

           
Foto: Paola de Grenet | The Guardian

O silêncio é tanto que é fácil esquecer que você está a apenas alguns minutos de carro do centro de Barcelona. Apenas o sussurro das salgueiras na brisa do mar, o respingo de um peixe à superfície e o choro de uma garça – até que a serenidade é obliterada por um avião decolando.

O Delta del Llobregat, uma das terras úmidas mais importantes do Mediterrâneo ocidental, está sendo erodido de um lado pelo mar e do outro pelo aeroporto faminto por terra da cidade. Viagens para Espanha ainda estão restritas, mas há alguns voos e é possível deleitar-se na quase hipnótica tranquilidade do delta. Mas antes da pandemia havia quase 90 voos por hora e, se as coisas forem conforme o desejo das autoridades do aeroporto, isso aumentará ainda mais.

O delta cobre 920 hectares (2.280 acres) por 14 ecossistemas distintos, variando de costa, pântanos e lagoas até florestas coníferas e fazendas. Além de ser casa para uma colônia de tartarugas, há mais de 1.000 espécies de plantas, incluindo 22 variedades de orquídeas.

Até à data, na luta de uma década de flamingos versus aviões, os flamingos perderam todos os rounds. Mas a comissão europeia se envolveu na discussão, acusando os governos da Espanha e da Catalunha de falir em proteger as terras úmidas e uma advertência contra uma proposta de expansão do aeroporto.

Ao notificar o envio da carta, a comissão anotou: “Apesar de ser uma das regiões mais densamente populadas da Península Ibérica, os frágeis ecossistemas lênticos do Llobregat Delta são casa de uma excepcional biodiversidade e têm um papel crucial nas rotas migratórias de várias espécies europeias de pássaros.”

Na referida carta, foi reclamado que “a adoção e implementação de um plano especial para proteção das áreas naturais e paisagem do Llobregat delta, e uma extensão das áreas especiais protegidas para proteger os territórios mais adaptados para a conservação de pássaros, não foram sequenciadas suficientemente”.

A comissão acrescentou que os governos da Espanha e da Catalunha não cumpriram sua obrigação de compensar a terra perdida para o aeroporto, por exemplo escavando e naturalizando uma área de estacionamento vasta e abandonada para táxis que foi construída em terra protegida.

A carta foi enviada em resposta a uma reclamação formal primeiramente apresentada em 2012 por Depana, um grupo de conservação catalão, cujo vice-presidente, José García, cresceu no delta e testemunhou a lenta dizimação de uma área é que casa de mais de 350 espécies de pássaros e um lugar chave para a rota migratória norte-sul.

Durante anos Depana esteve lutando contra os governos nacional e regional assim como Aena, a autoridade do aeroporto, para salvar o delta.

“A novidade é que estamos no começo de um processo judicial,” diz García. “As áreas até onde o aeroporto quer expandir são parte da rede de proteção natural de 2000 aves da UE e para fazer isso é preciso permissão da comissão europeia, e a comissão deixou claro que permissão não será concedida.”

O aeroporto de Barcelona é o sexto mais movimentado da Europa. Ele expandiu rapidamente para as Olimpíadas de 1992 e novamente em 2009, quando um novo terminal foi construído próximo ao que já existia, o qual está praticamente abandonado hoje em dia. Agora Aena está planejando uma expansão de €1.7 bilhão (£1.4bilhão) que rasgaria o coração do que resta do delta.

“O aeroporto tem que se tornar um centro internacional e nós não podemos perder essa nova oportunidade de por Barcelona no mapa,” diz Josep Sánchez Llibre, presidente de Foment de Treball, a associação de negócios da Catalunha.

Segundo o plano, o qual estenderia a pista até as terras úmidas e envolve construir outro terminal, o número de passageiros aumentaria de 55 para 70 milhões por ano.

A Câmara Municipal de Barcelona, a qual não tem jurisdição sobre o aeroporto, rejeitou o plano já que “ele é uma bacanalia para os setores presos no passado”.

“Nós estamos sempre a favor do investimento não de propostas do século 20 que não têm nenhum futuro,” diz Janet Sanz, vice-prefeita da Catalunha. a câmara quer que jornadas menores que 2 horas e meia sejam feitas de trem.

Foto: Ilustração | Pixabay

Construções e grandes projetos são, no entanto, uma força motriz na economia espanhola. Os principais investidores – os governos da Espanha e da Catalunha e a Aena, uma entidade privada na qual o Estado tem uma participação de 51% – têm uma visão do mundo compartilhada do projeto de expansão do aeroporto.

“O interesse da Aena supera o dos governos catalão e espanhol, os quais sempre cedem às demandas da Aena,” diz Cristina Sánchez, a representante catalã da Sociedade Ornitológica Espanhola. “Aena tem mais poder negocial, pode oferecer a criação de trabalhos e outros benefícios para Barcelona, e esses são benefícios financeiros muito interessantes para outros investidores.

“Essa carta da comissão europeia pode mudar tudo, mas até agora o governo catalão nunca defendeu ou geriu este espaço contra os interesses do aeroporto.”

Enquanto o aeroporto é responsabilidade de Aena e do governo espanhol, o governo regional é responsável pelo meio ambiente e cumprimento das diretivas sobre proteção de vida selvagem.

Ferran Miralles, um representante do meio ambiente do governo catalão, afirma que a administração cumprirá as demandas da UE em criar uma área de preservação especial como designado na diretiva da UE sobre conservação de pássaros selvagens e recuperar parte da terra perdida nas construções, mas ele é incapaz de dizer onde ou quando esse trabalho será realizado.

“Nós estamos trabalhando nisso. É impossível agir mais rápido”, diz Miralles.

Antes da crise econômica de 2008, os governos nacional e regional da Espanha desperdiçaram milhões em projetos faraônicos projetados não para satisfazer necessidades sociais mas para aumentar o prestígio de políticos. Esses incluem ao menos três aeroportos que nunca foram usados ou são abandonados, centros culturais inacabados, ferrovias HG2 e um estúdio de cinema de última geração que não produziu um filme desde 2012.

O dinheiro está escasso, mas com Bruxelas oferecendo um auxílio pós-pandemia de bilhões, teme-se que a Espanha voltará para seus velhos ruins dias.

“Nós queremos ter certeza que se há fundos da Europa para proteger o delta, eles não sejam usados para outra coisa”, diz García.

“À parte dos interesses comerciais, isso é sobre a competição entre Madrid e Barcelona. Se Madrid tem X, nós temos que ter 2X.”

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo