HONG KONG

Ativistas salvam milhares de tartarugas feridas durante ritual religioso

Foto: Reprodução | The Independent

Ativistas e voluntários estão lutando contra o tempo para salvar milhares de tartarugas-de-orelhas-vermelhas abandonadas em um lago lamacento criado artificialmente após a drenagem de um rio em Hong Kong. Os animais foram deixados no local como parte da prática de “mercy release” (libertação gentil, em tradução livre), um ritual baseado na crença budista de que libertar animais próximo ao aniversário de Buda, 19 de maio, traz boa sorte.

Ativistas afirmam que a crença budista prega o amor e a liberdade em relação a todas as espécies, mas a prática está sendo interpretada ao pé da letra e muitas pessoas estão comprando animais, criando-os por um ano e depois os abandonando à própria sorte. A tartarugas-de-orelhas-vermelhas não são nativas de Hong Kong e ao serem liberadas no habitats de outros espécies, sem manejo adequado, podem causar grande desequilíbrio.

Muitas tartarugas salvas estão sendo encontradas feridas e debilitadas. Muitas, provavelmente, morrerão. Nos próximos dias é esperado que mais animais sejam abandonados. Criadas em cativeiro, elas não conseguirão sobreviver sozinhas. Com as oscilações climáticas, elas podem morrer de calor ou de frio. Até o momento, dezenas de tartaruguinhas já foram encontradas mortas. Outras estão com doenças de pele e os cascos quebrados.

Foto: Reprodução | The Independent

Além de tartarugas, outros animais que também costumam ser soltos no “mercy release” são pássaros, insetos, peixes e sapos. A soltura de animais de origem desconhecida em ecossistemas locais pode fomentar a transmissão de doenças zoonóticas, vírus e bactérias, além de contaminar habitat de animais nativos. Ativistas estão fazendo uma apelo às autoridades para conscientizar a população sobre realizar o ritual de forma ética e responsável.

A Associação Budista de Hong Kong emitiu uma nota informando que não incentivou nenhum seguidor dos preceitos budistas a libertarem animais de forma irresponsável na natureza e afirma que repudia ações que possam causar danos físicos aos animais e ameaçar o equilíbrio ambiental. A associação afirma ainda que há outras formas de ajudar os animais e uma delas é adotar um estilo de vida vegano ou vegetariano.

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo