SÍRIA            

Santuário acolhe mais de 1.000 gatos em meio à pandemia e à guerra

Após ser fechado por causa das hostilidades, o santuário foi reaberto em outra cidade            
Foto: Reprodução | Reuters

Alaa al-Jaleel cuidava de um santuário de gatos na Síria, mas por questões de conflitos ocorridos no ano de 2015 em Aleppo, precisou fechar o local e fugir para o norte,  em direção à cidade de Idlib, levando cem animais com ele.

No novo endereço, ele reabriu seu abrigo, nomeando-o “Santuário Ernesto”, o qual abriga mais de mil gatos resgatados da guerra. No espaço, com cerca de 2 mil metros quadrados, os animais recebem cuidados médicos e alimentação, além de estarem seguros.

Foto: Reprodução | Reuters

A maioria dos gatos tem ferimentos causados pela guerra e pelo abandono – pois seus antigos cuidadores tiveram de deixá-los para trás ao fugir dos conflitos na cidade. “Nós, então, oferecemos a esses animais resgatados abrigo, cuidados médicos e comida”, contou Mohamad Wattar, atual gerente do local, à Reuters.

O nome do santuário de Alaa al-Jaleel é uma homenagem ao gato favorito de mulheres italianas que o ajudaram a continuar o trabalho no abrigo enquanto se realojavam. O novo local é maior, cercado e mantido em segurança por forças de resistência na Síria.

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo