DESMATAMENTO E CAÇA

Ação humana coloca elefante-da-floresta em risco de extinção

Segundo recente alerta da União Internacional para a Conservação da Natureza, os elefantes-da-floresta entraram em risco de extinção
Foto: Reprodução | Pixabay

Em uma atualização da lista vermelha de espécies ameaçadas, a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) alertou, nesta quinta-feira (25), que o Loxodonta cyclotis, mais conhecido como elefante-da-floresta (ou elefante africano da floresta) está em perigo crítico de extinção. Segundo o balanceamento, sua população teria diminuído cerca de 86% nos últimos 30 anos.

O elefante-da-floresta vive principalmente na selva da África Central e Ocidental e é menor que seu primo Loxodonta africana, o elefantes-da-savana, este, ainda de acordo com a atualização teria sua população reduzida aproximadamente 60% nos últimos 50 anos e é classificada como “em perigo”.

A IUCN passou a fazer a distinção entre essas duas espécies de elefantes encontradas no continente africano. Segundo Bruno Oberle, diretor-geral da organização, isso representa a pressões constantes que estes emblemáticos animais têm de enfrentar”. Com base no estudo do genoma, os especialistas estimaram que o melhor no momento, é tratar em separado as duas espécies de elefantes africanos. Principalmente por que eles vivem em diferentes regiões: as maiores populações dos elefantes-da-floresta estão no Gabão e no Congo, ocupando apenas 25% de seu território original, enquanto os elefantes-da-savana preferem um hábitat mais aberto, vivendo especialmente na África Subsaariana.

Cerca de 1,5 milhão de elefantes percorriam toda África há 50 anos. De acordo com o censo mais recente de grandes mamíferos, em 2016, esse número caiu para 415.000. Essa redução deve “disparar o alarme” de alerta, diz AFP Benson Okita Ouma, da ONG Save the Elephants e copresidente do grupo de especialistas em elefantes africanos da IUCN, e completa: “essa classificação deve servir de alerta de que, se não mudarmos o curso das coisas, teremos boas chances de ver esses animais afetados de extinção”. Apesar disso, o próximo censo não é esperado para antes de 2023, e esse animais não vão desaparecer da África da noite para o dia.

Fatores que causam o risco de extinção

A redução no número das espécies de elefantes acelerou entre 2008 e 2011, quando a caça por presas de marfim atingiu seu auge. Apesar da prática não ser intensa nos dias de hoje, o fenômeno continua ameaçando os animais.

Além disso, Okita Ouma considera que a destruição do hábitat dessas espécies para o aumento da área de terras agrícolas ou exploração florestal é outro ponto preocupante para a preservação dos elefantes.

Conservação das espécies

O relatório apresentado pela IUCN não traz somente aspectos negativos. A pesquisa sinaliza que a conservação de paquidermes em áreas protegidas no Gabão e no Congo está sendo um sucesso. E o número de elefantes-da-savana também é estável no sul da África, caminhando, inclusive, para um crescimento da população na área de conservação transfronteiriça de Kavango Zambezi.

Fora isso, a queda da atividade humana durante a pandemia do coronavírus impacta positivamente na preservação da natureza, permitindo com que os elefantes “recolonizem” certas áreas das quais outrora foram expulsos.

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação

Você Viu?

ir para o topo