GANÂNCIA            

Estudo indica que desmatamento é estimulado por interesse agrícola de países ricos

           
Foto: Pixabay

Um estudo publicado pela revista científica Nature Ecology & Evolution no dia 29 de março demonstrou que o desmatamento nos trópicos é estimulado pelos países ricos.

A dinâmica acontece da seguinte maneira: as nações desenvolvidas carecem ou preferem comprar produtos agrícolas, como café e soja, de países em desenvolvimento, que para produzirem mais e venderem mais, desmatam suas florestas para abrir espaço para a agricultura.

O que é contraditório é que esses mesmos países desenvolvidos são muito abertos às pautas ambientais em âmbito nacional e procuram conservar seus recursos naturais, mas este pensamento não parece se extender aos países de renda baseada no agronegócio.

No estudo, é dito que um habitante dos países do G7 (Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido e Estados Unidos) é responsável pela perda média de quatro árvores por ano em diversas partes do mundo.

A produção ainda conta com dados específicos do consumo exacerbado de alguns produtos agrícolas nos países do G7. A Alemanha, por exemplo, consome muito cacau produzidos na Costa do Marfim e em Gana, e isso representa um risco muito forte às florestas da região dessas nações.

Estima-se que 38 mil km2 de florestas nativas na região dos trópicos, menos desenvolvida, são desmatadas a cada 6 segundos. Dados preliminares da pesquisa também indicam que a destruição pode ter sido ainda pior em 2020.

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo