IRRESPONSABILIDADE HUMANA            

O plástico afeta 30 espécies de animais que vivem em Galápagos

Até o momento, 30 espécies de animais ingeriram ou se enredaram com esse material nas ilhas            
Foto: Reprodução | Google Imagens

Um saco plástico descartado em Guayaquil pode acabar no estômago de uma tartaruga em Galápagos. Esse lixo conseguiu se deslocar, principalmente, do Equador continental e do Peru para as áreas mais isoladas do arquipélago. Até o momento, 30 espécies de animais ingeriram ou se enredaram com esse material nas ilhas.

O caso de uma tartaruga encontrada sem vida na região do Cerro Tijeretas é um dos exemplos. Esta foi levada por um pescador ao laboratório do Centro de Ciências de Galápagos. Ao abrir seu corpo, os investigadores encontraram bainhas e cordas de plástico dentro.

Em algumas ocasiões, essas sacolas conseguem passar pelo trato digestivo das tartarugas e são expelidas de seus corpos, sem causar danos. O plástico em suas fezes é a única evidência para os cientistas de que esse material estava dentro delas. Também foram capturadas imagens de leões-marinhos enrolados em cordas ou de pássaros que usam o material para fazer ninhos.

Por meio do projeto ‘Compreendendo os efeitos dos detritos marinhos em Galápagos’, realizado pelo Centro de Ciências de Galápagos e pelo Parque Nacional de Galápagos, foram registradas 30 espécies da fauna afetadas de diferentes formas pelos plásticos no arquipélago.

Juan Pablo Muñoz Pérez, professor e pesquisador da Universidade San Francisco de Quito em Galápagos e membro do Centro de Ciências de Galápagos, diz que se desconhece o número de espécies que sofreram com o problema. Nem foi provado que está afetando todos os indivíduos da espécie.

O pesquisador conta que o projeto teve início em 2014 quando viu que o lixo estava chegando a ilhas remotas, onde os visitantes não têm permissão para entrar. Nessa altura, o trabalho surgiu como uma forma de pedir que fosse regulamentado o consumo deste material no arquipélago.

A pesquisa é atualmente apoiada pela ciência cidadã. A maioria dos casos foi relatada por pescadores, turistas ou habitantes das ilhas. Para isso, foi criado um site onde você pode preencher um questionário e fazer o upload de uma foto ou vídeo da espécie afetada. A lista inclui animais de grande porte, como baleias-jubarte, e pequenos animais, como o caranguejo eremita. Também tiveram relatos de atuns que, quando abertos pelos pescadores, traziam tampas ou sacolas no estômago.

Agora, o objetivo é determinar quais são os possíveis impactos da poluição na saúde dos animais. Outro foco do estudo é determinar a origem dos plásticos. As observações de Muñoz Pérez e um estudo do oceanógrafo Erik van Sebille mostram que também existe lixo asiático, associado às frotas que se encontram fora da reserva marinha.

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo